Regulação deve tornar-se mais “simples e assente em princípios”, diz a presidente da CMVM

  • Lusa
  • 6 Junho 2018

Gabriela Figueiredo Dias acredita "na iminência de um diferente modelo de regulação, que terá de se reinventar para se fazer simples, flexível e assente em princípios".

O modelo de regulação no mercado financeiro deverá reinventar-se e tornar-se “simples, flexível e assente em princípios”, defendeu esta quarta-feira a presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, na abertura da conferência anual internacional da CIRSF – Centro de investigação, Regulação e Supervisão Financeira.

No encontro a decorrer em Lisboa, Gabriela Figueiredo Dias notou o “ponto de viragem sem retorno” na regulação, cuja produção na última década viu aumentar a sua “intensidade e nível de detalhe”. Esses aumentos “jogam, a partir de certo nível de granularidade e tecnicidade, contra a capacidade da lei de absorver a realidade em movimento” e que podem arriscar “jogar contra a proteção do investidor, e não a seu favor”.

Acredito, por isso, na iminência de um diferente modelo de regulação, que terá de se reinventar para se fazer simples, flexível e assente em princípios, mais do que em detalhes técnicos. Só assim será possível adequar-se e manter aderência à realidade em contínua transformação, permitindo a absorção permanente dessa realidade pela lei sem necessidade da sua constante adaptação normativa”, disse.

Este cenário exige “supervisores independentes, mais qualificados, independentes e robustos, mais interventivos, atuando de forma mais cirúrgica e focada” e que devem usar cada vez mais ferramentas tecnológicas. A dirigente notou que uma maior convergência de supervisão “não dispensará, contudo, a vertente de proximidade do supervisor local, traduzida esta proximidade em conhecimento, atenção ao detalhe, compreensão da realidade local, acompanhamento em tempo real”.

Na sua intervenção, a dirigente afirmou o otimismo quanto ao mercado de capitais “assente em factos e não em estados de alma”, garantindo que se está a assistir a um “novo fôlego de reinvenção nos mercados”. Mesmo sem a recuperação da confiança dos investidores perdida na crise, a poupança em mínimos e concentrada em depósitos, o abandono do mercado por muitas empresas e uma conjuntura internacional incerta, Gabriela Figueiredo Dias garante que as “vozes de Velhos do Restelo” estão erradas e há uma “grande oportunidade de regeneração e alteração do perfil do mercado e dos seus agentes”.

Elencando sinais de recuperação do PSI20, o principal índice da Bolsa de Lisboa, a responsável destacou que a capitalização é a mais elevada desde 2013, ao aumentar cerca de 13% em 2017 face a 2016, além de haver um “acréscimo relevante de liquidez nos principais segmentos e uma menor volatilidade associada aos títulos do PSI 20”. A presidente do regulador lembrou ainda o registo da primeira plataforma de financiamento colaborativo há cerca de uma semana, “que entrará muito em breve em bolsa – um sinal dos tempos”.

No final desta sessão de abertura, Luís Silva Morais, coordenador do CIRSF, elencou os cinco tópicos que vão guiar os trabalhos desta quarta-feira, sublinhando a questão dos novos passos críticos para a concretização da União Bancária Europeia e da União Europeia do Mercado de Capitais. Silva Morais citou a frase do filósofo chinês Confúcio que referiu em termos de velocidade, “não interessa o quanto devagar se vai, desde que não se pare”, mas acrescentou que nestas matérias europeias se deve “encontrar o correto passo para que não se vá tão devagar, que se pare”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulação deve tornar-se mais “simples e assente em princípios”, diz a presidente da CMVM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião