Para os bancos de investimento, o vencedor do Mundial é…

  • ECO
  • 16 Junho 2018

Três grandes bancos de investimento fizeram as contas ao Mundial na Rússia. Com inteligência artificial, modelos econométricos e medidores de desempenho económico previram os vencedores do campeonato.

O Mundial 2018 está mesmo a chegar e, com ele, vêm as apostas sobre qual será a seleção vencedora. Muitas das apostas são apenas palpites ou, como há quem antes prefira chamar, intuições. Mas há quem aposte com base num raciocínio diferente, mais estudado e justificado. O Goldman Sachs utilizou a inteligência artificial, o UBS seguiu um modelo econométrico e a Allianz Global Investors analisou o desempenho económico dos países para chegar aos candidatos à vitória.

Os três bancos de investimento, tão curiosos quanto os adeptos, fizeram uma previsão do vencedor do Mundial na Rússia e as conclusões a que chegaram foram diferentes. Para o Goldman Sachs e o UBS, Brasil e Alemanha são os dois países apontados para o primeiro lugar do pódio. Na melhor das hipóteses, Portugal chega às meias-finais.

Já lá vão seis para o Brasil

Para o banco de investimento, sediado em Nova Iorque, o Brasil é o grande favorito à vitória na final, que será defrontada com a Alemanha. Se este cenário se concretizar, será o sexto título que o Brasil consegue num Mundial.

A Rússia, o país organizador, ficará depressa pelo caminho, sem passar da fase de grupos. Por sua vez, a grande revelação no grupo será mesmo a Arábia Saudita, que passará até aos oitavos de final. De acordo com a tabela do Goldman Sachs, Portugal enfrenta a Arábia Saudita nessa fase e sai vitorioso. Depois, nos quartos-de-final, joga contra a Argentina e volta a vencer, mas o triunfo fica por aqui porque, contra a Alemanha, nas meias-finais, a seleção portuguesa perde.

Conheça aqui a tabela, baseada em machine learning, que o Goldman Sachs elaborou. O número que aparece junto a cada país, que determina se passa de ronda ou não, representa a previsão do número de golos marcados em cada um dos possíveis encontro da competição.

Alemanha repete o feito

De acordo com o modelo econométrico usado pelo UBS, a Alemanha vai sagrar-se campeã mundial, tal como aconteceu na passada edição do campeonato, em 2014. De acordo com os economistas do banco de investimento suíço, a seleção alemã tem 24% de hipóteses de vencer a final, em Moscovo. Tal como também previu o Goldman Sachs, o jogo da final será contra o Brasil, outro forte candidatos a chegar à final.

Espanha conseguirá chegar ao pódio, com um terceiro lugar, e Inglaterra, França e Bélgica poderão surpreender no Mundial na Rússia. Mas, então, e a seleção portuguesa? Depois da vitória em França, o país campeão da Europa fica com apenas 3% de probabilidade de tornar-se o grande vencedor do Mundial de 2018.

Veja a lista, divulgada pelo UBS, que mostra qual o país com mais probabilidade de vencer o campeonato de 2018.

Quanto aos primeiros jogos, que inauguram o Campeonato do Mundo da FIFA 2018, o UBS diz que para a Alemanha e para o Brasil o começo será mais fácil. “Espanha terá de correr se quiser derrotar Portugal, o atual campeão europeu, no seu jogo de abertura“, disse Michael Bolliger, diretor de alocação de ativos em mercados emergentes do UBS.

Meia dúzia de países. Mas o mais forte no relvado será o forte na economia?

E o que pensa a Allianz Global Investors sobre quais os países com mais chances de vencer em campo? Através do desempenho económico das 32 seleções que estão na corrida para o título de campeão mundial, a Allianz perspetivou as suas performances no Mundial.

No Grupo A, apesar de a Rússia e a Arábia Saudita serem dois dos países mais relevantes a nível mundial, no que diz respeito ao petróleo, ambos estão envolvidos em conflitos com outros países. Tal cenário abre caminho para o Uruguai conseguir o primeiro lugar do grupo. Espanha e Portugal, ambos no Grupo B, são duas seleções que também podem chegar longe no campeonato. Embora os últimos anos tenham ficado marcados por crises económicas, os países recuperam e isso pode beneficiar o seu desempenho dentro das quatro linhas do campo.

A Argentina, que está inserida no Grupo D, é apontada como uma forte candidata à vitória. Ainda assim, segundo a Allianz, no relvado precisa de mostrar “melhor coordenação e determinação” do que na frente económica. Já a Alemanha, competitiva em ambas as frentes, poderá repetir o feito e revalidar o título de campeão mundial.

Ao contrário das previsões do Goldman Sachs, que apontavam o Brasil como o grande vencedor, a Allianz acredita que os problemas económicos e políticos que o país atravessa possam afetar o desempenho dos jogadores em campo.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Para os bancos de investimento, o vencedor do Mundial é…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião