Administrador financeiro do Sporting abandona a SAD

Rui Caeiro e Carlos Vieira abandonam a SAD do clube de Alvalade, de acordo com comunicado enviado ao regulador.

Rui Caeiro e Carlos Vieira, dois dos administradores da SAD do Sporting, estão de saída, anunciou o clube em comunicado enviado à CMVM. Carlos Vieira é administrador financeiro do clube, e terá apresentado a renúncia ao seu cargo a 26 de junho, de acordo com o comunicado emitido pelo clube.

As renúncias dos dois administradores são conhecidas numa altura em que a SAD do Sporting se encontra em falência técnica mas recupera valor na bolsa há cinco sessões consecutivas.

“A situação da SAD é de falência técnica. Capitais próprios negativos de nove milhões, certificados pela auditora do Conselho Fiscal da SAD, com problemas de tesouraria imensos. Não é uma situação de falência, apenas falência técnica. A SAD está em dificuldades mas não acabará seguramente”, disse Artur Torres Pereira, presidente da Comissão de Gestão do Sporting, em entrevista à CMTV.

Também esta tarde, a CMVM emitiu o comunicado que oficializa a nomeação de Sousa Cintra para o cargo de presidente do Conselho de Administração. Já cerca das 19h22, o Sporting emitiu novo comunicado, informando da designação de três novos nomes para administradores “até ao final do mandato em curso”. Artur Ryder Torres Pereira, Luís Silva Marques, Paulo Jorge de Melo Chaves e Mendes Salsa são os três nomes designados “nos termos e para efeitos do cumprimento da obrigação de informação que decorre do disposto no artigo 248.º-A”, explica o comunicado divulgado pela CMVM.

Notícia atualizada às 19h25 com mais informação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administrador financeiro do Sporting abandona a SAD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião