“Redução abrupta do malparado pode ser desestabilizadora” para a banca nacional, alerta Teixeira dos Santos

O presidente do EuroBic diz que a banca nacional tem que reduzir o malparado, mas deixa o alerta de que essa redução não pode ser feita de forma brusca.

Fernando Teixeira dos Santos defendeu, esta terça-feira, uma redução do malparado para a banca portuguesa, mas recusou que esta redução seja feita de maneira brusca.

“É muito importante que os bancos portugueses reduzam o malparado, contribuindo para uma diminuição da perceção do risco, mas não me parece que seja razoável uma redução brusca”, afirmou o ex-ministro das Finanças.

O presidente do EuroBic, falava em Braga, na quarta edição do Fórum Desafios e Oportunidades, uma iniciativa da instituição que preside.

Teixeira dos Santos deixou mesmo o aviso de que “a exigência de uma redução abrupta para menos de 5% pode ser bastante desestabilizadora da situação da banca”.

Essa situação, prossegue o ex-ministro das Finanças, pode levar os bancos “a enveredar por uma situação que os leve a perdas mais elevadas do que se optassem por uma solução mais faseada”.

Teixeira dos Santos relembra que “os bancos conhecem melhor os seus devedores do que eventuais fundos que comprem o malparado“. Um conhecimento que pode levar as instituições financeiras “a perspetivar, num horizonte mais alargado, a recuperação dos seus créditos”.

“Uma situação radical pode ser um choque para os bancos”, avisa o ex-ministro das Finanças.

Fernando Teixeira dos Santos acrescenta ainda que uma redução brusca vai obrigar a uma capitalização significativa da banca, o que num cenário de pouco capital só faz sentido se se quiser “recorrer a capital externo”.

Refira-se que já este fim de semana, em entrevista ao Jornal de Negócios, Teixeira dos Santos tinha demonstrado estar preocupado com o facto de se querer forçar a “iberização da banca”.

Tensão entre UE e EUA é um risco

Sobre a economia portuguesa, Teixeira dos Santos diz não ver grandes sinais de alerta, a não ser os que se prendem com o exterior. E nesse caso apontou como riscos, a politica comercial dos Estados Unidos e o clima de tensão que se vive entre os dois grandes blocos: EUA e União Europeia.

No que diz respeito às grandes mudanças estruturais da economia portuguesa, o ex-ministro defende que estas já se fazem sentir e passam pela “dinâmica empresarial”.

Teixeira dos Santos aproveitou o facto de estar a falar para uma plateia de empresários da região para afirmar que “os catalisadores da mudança estrutural da economia foram precisamente as empresas e a forma como os empresários responderam à crise, virando-se para o exterior”.

De resto, Teixeira dos Santos espera que o EuroBic se afirme como um banco de retalho. “A prioridade do EuroBic passa por termos um banco de retalho e um banco de PME’S e de negócios, o que significa um banco que apoie as empresas no exterior e no caminho da internacionalização”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Redução abrupta do malparado pode ser desestabilizadora” para a banca nacional, alerta Teixeira dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião