Bom governo das sociedades é chave para “atrair investidores”

  • ECO
  • 5 Julho 2018

Tanto as grandes empresas, como as mais pequenas, as startups, querem cumprir as regras de corporate governance. E a autorregulação, ainda que traga desafios, é bem-vinda.

Todas as empresas querem garantir um bom governo das sociedades. Seja com o modelo de regulação, seja com o modelo da autorregulação, que o novo Código de Corporate Governance do Instituto Português de Corporate Governance (IPCG) trouxe, todas procuram dar resposta às exigências do governo das sociedades. O objetivo é tornarem-se mais atrativas para o exterior, de maneira a captar investidores e investimento, seja para as grandes empresas, seja para startups como é o caso da Raize, que está em pleno processo de entrada em bolsa.

O novo código está em vigor desde o dia 1 do passado mês de janeiro, em substituição do Código da CMVM. É uma etapa decisiva do processo de transição para um paradigma de autorregulação, que responde a uma solicitação dos agentes do mercado e segue a tendência da generalidade dos mercados de capitais desenvolvidos.

Gabriela Figueiredo Dias, Presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e vice-Presidente da OCDE Corporate Governance Committee, considera que a transição para a autorregulação traz novos desafios. “Qualquer transformação envolve riscos e o principal tem a ver com a implementação”, disse durante a manhã desta quinta-feira, na conferência do grupo de trabalho sobre o governo das sociedades da OCDE/MENA (Middle East and North Africa).

Foto: Paula NunesPaula Nunes / ECO

“O que nós devemos fazer, e estamos a fazer quanto possível, é mitigar os riscos à volta deste processo”, acrescentou António Gomes Mota, chairman dos CTT, referindo que se trata de um processo “muito participado”. A mudança do paradigma nas boas práticas de gestão das empresas cotadas, de regulador para autorregulação, acarreta riscos mas, na opinião de António Rios de Amorim, Presidente do conselho de administração da Corticeira Amorim, é importante. “Nós sabemos o que é o melhor para as nossas empresas”, afirmou.

Por outro lado, considera que o maior desafio que Portugal enfrenta, para garantir um governo das sociedades, está relacionado com separar o dinheiro privado do dinheiro da empresa. “Parece óbvio, mas nem sempre é assim tão óbvio”, acrescentou.

José Maria Rego, CEO da Raize, e também orador na conferência promovida pela CMVM e pela OCDE, falou sobre como é que a sua startup, sendo uma pequena empresa, implementa as regras do governo das sociedades. José Maria referiu que “é preciso ter investidores externos, é preciso de investimento”. Ambição para fazer a empresa crescer e mais transparência de informação foram outros fatores apontados pelo CEO da startup.

A intervenção de José Maria Rego acontece numa altura em que a Raize está a meio de um processo para entrar na bolsa de Lisboa. O período de venda de ações arrancou no passado dia 18 de junho e prolongar-se-á até ao próximo dia 12 de julho, seguindo-se a entrada em bolsa, prevista para 18 de julho.

Foto: Paula Nunes

Esta quinta-feira foi o último dia da conferências da OCDE / MENA, sob o tema “Policy options to achieve sound corporate governance for competitiveness”, que começou na quarta-feira passada. O encontro, além de abordar o caso português, debateu múltiplas dimensões do governo das sociedades na região MENA, à luz das melhores práticas da OCDE.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Bom governo das sociedades é chave para “atrair investidores”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião