Falhada a venda da TVI, Prisa quer quase todo o lucro da Media Capital em dividendos

A Prisa propôs receber quase 17,6 milhões de euros em dividendos pagos pela Media Capital, semanas depois de ter falhado a venda da empresa à Meo.

Falhada a venda da Media Capital à Meo, os espanhóis da Prisa querem agora receber quase todos os lucros do grupo de media português na forma de dividendos. Dos 19,79 milhões de euros de resultados líquidos que a dona da TVI registou no exercício do ano passado, a Prisa pretende distribuir pelos acionistas 94% dos lucros, ou cerca de 18,6 milhões de euros. A maior “fatia” vai para a Prisa, que detém quase 95% do grupo.

Ou seja, a Prisa pretende que a Media Capital distribua um dividendo de 22 cêntimos por ação, o que corresponde a uma remuneração de cerca de 17,6 milhões de euros para a empresa espanhola. Na proposta enviada à CMVM, a Prisa, através da subsidiária Vertix, garante que “existem reservas livres disponíveis” para tal, e que a distribuição dessas reservas “não afeta a situação líquida da sociedade”.

A distribuição destes dividendos será votada e oficializada em assembleia geral, marcada para o início da manhã de 27 de julho, na sede da Media Capital MCP 0,00% . No ano passado, conseguiu os melhores resultados numa década.

Esta proposta surge poucas semanas depois de ter a Meo ter falhado a compra da Media Capital à Prisa, pela qual oferecia 440 milhões de euros. A compra ia ser chumbada pela Autoridade da Concorrência (AdC) e a operadora da Altice decidiu denunciar o contrato antes mesmo de receber o parecer do regulador.

A Prisa foi recentemente alvo de um aumento de capital, que só surgiu já depois de a companhia ter decidido vender a dona da TVI em Portugal. Em causa, a falta de liquidez para abater a dívida acumulada e que vencia no final do primeiro trimestre deste ano. Entretanto, a Prisa conseguiu refinanciar dívida e alargar os prazos de maturidade, mas continua à procura de fontes de receita que lhe permitam reforçar a sua liquidez.

Cotação das ações da Media Capital na bolsa de Lisboa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Falhada a venda da TVI, Prisa quer quase todo o lucro da Media Capital em dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião