Meo obrigada a baixar preço da TDT. Canais pagam menos 15%

A Anacom prepara-se para obrigar a Meo a baixar os preços que a RTP, SIC e TVI pagam para fazerem parte da Televisão Digital Terrestre (TDT). Não estarão em conformidade com a lei.

A Meo vai ter de reduzir em mais de 15% os preços que cobra à RTP, SIC e TVI pela prestação do serviço de Televisão Digital Terrestre (TDT). A medida ainda não é final e está a ser preparada pela Anacom, que anunciou esta quinta-feira este sentido provável de decisão.

“A Anacom determina à Meo uma redução de 15,16% dos preços anuais por Mbps [megabits por segundo] que cobra aos operadores de televisão”, escreve o regulador num comunicado enviado aos jornais. O sentido provável de decisão já foi aprovado e “será submetido a audiência prévia e consulta pública durante 30 dias úteis”.

Segundo o regulador, os preços atualmente praticados pela operadora da Altice “ultrapassam o limite do preço apresentado na proposta que venceu o concurso público para atribuição da licença”. Ou seja, por outras palavras, é entendimento da Anacom que a Meo está a cobrar mais do que o preço máximo que disse que ia praticar na proposta que fez para ficar como prestador do serviço de TDT — proposta essa que acabou por ganhar o concurso público.

“Por esta razão, o preço atualmente em vigor por Mbps deve ser reduzido em 15,16%, no sentido de cumprir aquele princípio previsto na lei”, sublinha a entidade liderada por João Cadete de Matos. Caso a decisão se torne efetiva, como tudo aponta, a Meo tem dez dias úteis para “implementar os novos preços”. A Anacom garante ainda que “os preços que estão em vigor e que foram estabelecidos através dos acordos também já traduziam uma redução face aos preços anteriormente praticados”.

O regulador tem a tarefa de “avaliar anualmente a necessidade de revisão dos preços praticados pela prestação do serviço de TDT”, conclui a nota divulgada esta quinta-feira. O ECO está a tentar obter um comentário à decisão junto da Meo, mas tal ainda não foi possível.

(Notícia atualizada às 15h22 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Meo obrigada a baixar preço da TDT. Canais pagam menos 15%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião