Governo quer alterações à lei laboral votadas este mês

A secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares diz que o Governo apresentará um requerimento para adiar a votação do seu pacote laboral por sete dias, para a cumprir o tempo de consulta pública.

O Governo pretende apresentar um requerimento para que as suas propostas de alteração do Código do Trabalho não sejam votadas amanhã, mas sim pelo menos sete dias mais tarde. Coloca-se assim a hipótese de que, em vez de ser adiada para a próxima sessão legislativa, a votação possa decorrer ainda em julho. Ao ECO, a secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares confirmou que o Executivo irá apresentar um requerimento para fazer baixar as propostas à Comissão da especialidade durante sete dias, de forma a ser completado o período de consulta pública (que é obrigatoriamente de 30 dias).

Ao Diário de Notícias, a mesma secretaria de Estado dissera, na semana passada, que o diploma não poderia ir a votos por não ter terminado o período de consulta pública. “Em termos legais não é possível fazer a votação no dia 6”. Remetia então para os deputados o que aconteceria à proposta: “O Governo não controla os trâmites legislativos no parlamento. Essa é uma competência do parlamento, na qual o governo não se imiscui”. Ficou colocada a hipótese, como avançou o Público e confirmara hoje ao ECO o deputado José Soeiro, de que tanto a proposta do Governo como os 18 projetos de lei de outros partidos que seriam debatidos amanhã fossem também para a especialidade sem serem votados.

Agora, é possível que a proposta do Governo seja votada ainda em julho, em vez de só o ser na próxima sessão legislativa, depois do verão. Por exemplo no dia 18, para quando já há um plenário agendado e que cumpriria a necessidade de completar o período de consulta pública desta proposta, o Parlamento pode, se assim entender, agendar a votação deste pacote laboral. Ao que o ECO apurou, o objetivo do Governo é que o debate siga para a especialidade sem que seja gerada a expectativa de aprovação de medidas dos parceiros parlamentares com os quais o PS discorda, o que poderia acontecer se as matérias descessem a especialidade sem votação.

O pacote laboral do Ministério de Vieira da Silva tem enfrentado críticas no Parlamento, por parte da esquerda principalmente, que considera que as medidas não vão suficientemente longe para combater a precariedade e criar empregos de qualidade. Mesmo junto do Partido Socialista existe a intenção de introduzir projetos de lei para limitar a utilização do período de experiência prolongado que o Governo pretende instituir. Esta sexta-feira, os projetos serão debatidos em plenário. Mantém-se assim em dúvida quando vão acontecer as votações na generalidade que decidirão a descida à especialidade.

(notícia atualizada às 19:30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer alterações à lei laboral votadas este mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião