Nova taxa do BCE pode dar desconto na prestação da casa

A ESTER nasce em outubro de 2019. Se os bancos a escolherem para referência no crédito da casa, pode resultar em prestações mais baixas. Isto numa altura em que os juros deverão estar a subir.

Dentro de pouco mais de um ano, as famílias poderão ser surpreendidas com boas notícias relacionadas com os empréstimos da casa. Em outubro de 2019 nasce a ESTER, a nova taxa de juro de referência do BCE que poderá vir a substituir a Eonia e, consequentemente, a Euribor. Caso os bancos escolham esta taxa desenhada de modo a retratar apenas transações reais do mercado interbancário como referência para a determinação das taxas de juro do crédito da casa, tal pode significar um “desconto” no valor das prestações mensais das famílias portuguesas.

Esta conclusão tem como base a comparação entre o valor da Eonia (Euro OverNight Index Average) e o da ESTER (acrónimo de Euro Short-Term Rate), para a qual o Banco Central Europeu (BCE) já começou a publicar dados “em teste”: a pre-ESTER. Os últimos dados disponibilizados pela entidade liderada por Mario Draghi que dizem respeito ao dia 2 de maio mostram que as duas taxas apresentam um diferencial de cerca de nove pontos, com a pre-ESTER a apresentar o valor mais baixo. Nesse dia a Eonia estava nos -0,358%, enquanto a pre-ESTER apresentava-se com o valor de -0,452%.

ESTER face à Eonia

Fonte: BCE e Reuters

Não é certo que os bancos elejam a ESTER para substituir as taxas atuais, a Eonia e a Euribor, na determinação dos juros a pagar por quem tem um crédito à habitação de taxa variável, algo que o BCE faz questão de salientar. “O BCE irá publicar a ESTER como uma taxa de referência e cabe aos bancos optar por usá-la ou não”, disse fonte oficial da entidade liderada por Mario Draghi ao ECO.

Questionada sobre a adoção ou não desta taxa, a Associação Portuguesa de Bancos limita-se a afirmar que “acompanha os trabalhos que estão a ser desenvolvidos a nível europeu relativamente à ESTER e a outras risk free rates e aguarda as conclusões desses trabalhos”. Mas caso a opção seja a de acolherem a nova taxa, tal poderá resultar numa descida do valor das prestações da casa das famílias portuguesas.

"O BCE irá publicar a ESTER como uma taxa de referência e cabe aos bancos optar por usá-la ou não.”

Banco Central Europeu

Assumindo o exemplo de um empréstimo de 100 mil euros com um spread de 1%, caso se aplicasse esse diferencial de nove pontos à Euribor, a “poupança” na prestação mensal poderia chegar a quase seis euros (menos 1,88%). Isto no caso de um empréstimo com Euribor a três meses, em que a prestação seria de 307,11 euros, valor que baixaria para 301,34 euros mensais com a nova taxa. Já no exemplo de um crédito com a Euribor a seis meses, a redução seria de pouco mais de quatro euros (menos 1,35%). Na transição da Euribor para a ESTER, a prestação mensal baixaria de 309,43 para 305, 24 euros.

Evolução das Euribor a 3 e 6 meses

Fonte: Reuters

Ou seja, uma poupança que não é certa que se venha a concretizar, mas que será certamente bem-vinda para as famílias, sobretudo num período de inversão de juros que se aproxima.

A ESTER surge no seguimento de um grupo de trabalho criado em setembro do ano passado pelo BCE, com o objetivo de ser estabelecida uma taxa de juro sem risco do euro. A nova taxa de juro será calculada com base nos dados facilitados por 52 bancos informadores e antes do final de 2018 será decidida a possível inclusão de mais bancos informadores.

Esta iniciativa da entidade responsável pela política monetária da Zona Euro surgiu no seguimento da desconfiança em torno da Euribor cuja determinação é feita a partir das referências de um painel composto por mais de 50 instituições financeiras da Zona Euro do qual faz parte a Caixa Geral de Depósitos. Os escândalos relacionados com a manipulação da taxa por parte dos bancos levantaram muitas questões relacionadas com a fiabilidade do seu modelo de determinação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova taxa do BCE pode dar desconto na prestação da casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião