Licenciatura em Direito da Católica com maior taxa de empregabilidade

Com uma taxa de 98,8% de empregabilidade, a Faculdade de Direito da UCP lidera o ranking em Portugal, segundo o portal Infocursos.

Com uma taxa de 98,8% de empregabilidade, a Faculdade de Direito da UCP lidera o ranking em Portugal, segundo o portal Infocursos.

Para Jorge Pereira da Silva, diretor da Escola de Lisboa, “estes resultados não são fruto do acaso. Em concreto, desenvolvemos uma relação dinâmica com todos os recrutadores de referência a operar no mercado e desenvolvemos com eles uma política de colocação ativa dos nossos licenciados e mestres. É uma relação tripartida – estudante, faculdade e recrutador – que tem de ser transparente e gerida de modo a que seja vantajosa para todas as partes. A transição para o mercado de trabalho tem de ser progressiva, vista como um passo natural, na sequência de iniciativas como os Programa de Mentoria ou Job Shadowing, as Clínicas Legais ou os Estágios de Verão realizados ao longo da licenciatura”.

“A internacionalização é outra das características do sucesso desta licenciatura e uma aposta estratégica da escola. A par de um criterioso programa de mobilidade internacional com algumas das melhores escolas do mundo, a Faculdade proporciona aos alunos um ambicioso e inovador programa de disciplinas lecionadas em inglês, que obedece a uma lógica ordenada e consistente, visando prepará-los para a prática transnacional e facilitar a sua inserção no mercado de trabalho”, conclui o diretor da Escola.

Situando-se a taxa de empregabilidade da licenciatura em Direito nos 98,8% e a do Mestrado em Direito nos 98%, estes valores representam os mais altos das Faculdades de Direito em Portugal. Outro dado importante é que 40% dos advogados recrutados pelas principais sociedades de advogados em Portugal, em 2017, foram licenciados em Direito pela mesma Faculdade.

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Licenciatura em Direito da Católica com maior taxa de empregabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião