Endividamento da economia atinge novo recorde. São já 724.703.000.000 de euros

O endividamento da economia voltou a aumentar em maio, tendo atingido um novo recorde. O total do endividamento do Estado, empresas e famílias superou os 724 mil milhões de euros naquele mês.

O endividamento da economia voltou a aumentar em maio, tendo atingido um novo recorde. O total do endividamento do Estado, empresas e famílias portuguesas superou os 724 mil milhões de euros naquele mês, o valor mais elevado de sempre, revelam os dados do Banco de Portugal.

“Em maio de 2018, o endividamento do setor não financeiro situava-se em 724,7 mil milhões de euros, dos quais 322,4 mil milhões respeitavam ao setor público e 402,3 mil milhões ao setor privado”, detalha o banco central na nota de informação estatística divulgada esta quinta-feira.

“Relativamente a abril de 2018, o endividamento do setor não financeiro aumentou mil milhões de euros, em resultado do incremento de 300 milhões de euros no endividamento do setor público e de 700 milhões de euros no endividamento do setor privado”, acrescenta ainda.

Endividamento da economia atinge novo recorde

Fonte: Banco de Portugal

O montante em dívida por parte do setor não financeiro representa quase cinco vezes o valor da riqueza bruta produzida pelos portugueses num ano. Os últimos dados disponibilizados pelo Banco de Portugal, relativos a março, colocavam o endividamento nos 369,6% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

Maio marcou mesmo um recorde no que toca à dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, tendo superado os 250 mil milhões de euros em termos brutos. Mas é expectável que o endividamento público venha a registar uma descida ao longo do ano — sobretudo depois do reembolso ao mercado de um montante de 6,6 mil milhões de euros em junho.

No que toca à dívida privada, o Banco de Portugal explica que houve um aumento do endividamento externo das empresas em 500 milhões de euros. Já as famílias e particulares registaram um crescimento do endividamento face ao setor financeiro de 200 milhões de euros.

(Notícia atualizada às 11h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Endividamento da economia atinge novo recorde. São já 724.703.000.000 de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião