Portugal tem a maior almofada financeira da União Europeia. Mas a dívida continua a ser das mais altas

Portugal terminou o primeiro trimestre do ano com a terceira maior dívida da União Europeia, mas uma parte diz respeito a depósitos e outros ativos que compõem a maior almofada financeira da região.

Março de 2018 terminou com o país a registar uma almofada financeira no valor de 13% do PIB, segundo as estatísticas divulgadas esta sexta-feira pelo Eurostat. Portugal surge destacado neste indicador. Itália aparece a seguir com um valor de ativos de moeda e depósitos de 10,5%, sendo que a média comunitária é de apenas 3,3%.

Como Cristina Casalinho, presidente do IGCP, explicou no ano passado, Portugal ter uma almofada financeira reforçada funciona como uma espécie de apólice de seguro para o financiamento do Estado contra eventuais riscos no mercado de financiamento. Isto depois da experiência recente em que o país só obteve financiamento por via de empréstimos oficiais da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

“É uma proteção eficaz em momentos de crise. Preferimos não ter o contrafactual. Sou uma pessoa tradicionalmente conservadora”, sublinhou uma vez a responsável pela gestão da dívida pública portuguesa.

Almofada portuguesa destaca-se na Europa

Fonte: Eurostat

Portugal tem uma das maiores dívidas da Zona Euro, o que torna o país mais suscetível a eventuais choques no mercado. Segundo o Eurostat, tem mesmo a terceira maior dívida pública na região: 126,4% do Produto Interno Bruto (PIB), correspondentes a um valor bruto de 245,8 mil milhões de euros. Só os gregos e os italianos superam Portugal neste campeonato, tendo terminado o primeiro trimestre do ano com um rácio da dívida de 180,4% e 133,4%, respetivamente.

Dos 126,4% de dívida pública, 13% referem-se à almofada de liquidez, 75,4% é dívida representada por obrigações e 38% são empréstimos oficiais contraídos no âmbito do programa de assistência financeira.

Os 124,6% de dívida portuguesa comparam negativamente com a média da Zona Euro, que foi de 86,8%. O endividamento público dos Estados membros situava-se 9,7 biliões de euros no final de março.

Ainda de acordo com os dados do Eurostat, Portugal terminou o primeiro trimestre do ano com as contas públicas nacionais a apurarem um défice de 0,5% do PIB, o terceiro menor défice orçamental entre os parceiros da moeda única que tiveram as finanças no vermelho no final daquele mês — foram seis os países que registaram défice no final do primeiro trimestre.

No agregado da Zona Euro, o défice orçamental foi de -0,1%, traduzindo uma melhoria de 0,5 pontos percentuais face ao saldo orçamental negativo apurado no mesmo período do ano passado (-0,6%).

(Notícia atualizada às 11h20)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal tem a maior almofada financeira da União Europeia. Mas a dívida continua a ser das mais altas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião