Telles com três novos sócios

Os advogados Ivone Rocha, Leyre Prieto e Miguel Nogueira Leite, passam a ser sócios da TELLES. Os três mais recentes sócios já integravam a TELLES.

Os advogados Ivone Rocha, Leyre Prieto e Miguel Nogueira Leite, passam a ser sócios da TELLES. Os três mais recentes sócios já integravam a TELLES.

Para o managing partner, Miguel Torres, “A nomeação de Ivone Rocha, de Leyre Prieto e de Miguel Nogueira Leite é o resultado das qualidades humanas que os caracterizam e da capacidade técnica que têm vindo a evidenciar nas áreas de prática em que cada um está inserido e que já geriam e, ainda, pelo alinhamento que têm com a cultura e objetivos da TELLES. É uma integração natural, merecida e uma grande mais valia ”.

Ivone Rocha, sócia, integrou a TELLES em 2016 como of counsel, numa aposta clara do escritório nas área do Ambiente, da Energia e dos Recursos Naturais, matérias em que a advogada se destacou ao longo do percurso profissional. Licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, completou ainda três pós-graduações em Estudos Europeus, em Ciências Jurídicas e em Contencioso Administrativo. Em 2008 conclui o mestrado em Direito Público, pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa. Relevo ainda para a sua participação na Eurojuris, que presidiu entre 2006 e 2009, a participação como membro fundador da Federação Europeia de Direito da Energia, a publicação de vários artigos e a participação como oradora em diversas conferências, e a co-autoria de um livro sobre as alterações climáticas. Na Ordem dos Advogados, foi membro do Conselho Distrital do Porto por mais do que um mandato.

Leyre Prieto, sócia, integrou a TELLES em 2007 como associada, tendo vindo a destacar-se na sua atividade nas áreas do Direito Europeu da Concorrência e no Direito Comercial e Societário. Licenciada em Direito pela Universidade de Oviedo/UNED, obteve a licencça em Direito Comunitário e Internacional pela Universidade de Paris, em 2006, e concluiu o Curso Geral de Gestão na Universidade Católica do Porto. A mais recente sócia da TELLES, mantém a inscrição no Colegio de Abogados de Madrid a par com a inscrição na Ordem dos Advogados Portuguesa, sendo uma das reponsáveis pela nossa Oficina Latino Espanhola.

Miguel Nogueira Leite, sócio, integra a TELLES desde 2012. No seu percurso, destacou-se nas áreas de Comercial e Societário, no Direito Imobiliário e no Direito do Desporto. Licenciado em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, conclui depois o Mestrado em Ciências Jurídicas Empresariais na mesma universidade. Realizou ainda a pós-graduação em Direito do Desporto, pela Universidad Juan Carlos e Federacíon Española de Fútebol, e frequentou a pós-graduação em Corporate Finance. Ainda na área académica, Miguel Nogueira Leite assumiu a coordenação executiva do primeiro curso pós-graduado de Direito do Desporto, da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. É orador convidado em diversas palestras e seminários. No seu percurso em advocacia, antes de integrar a TELLES, passou por um escritório de advogados e colaborou como assessor jurídico na Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

Acompanhando este momento de reforço da atividade da TELLES, através da aposta na liderança para algumas das principais áreas de atuação, a sociedade anuncia ainda a contratação de dois novos of counsel, Pedro da Costa Mendes e Miguel Navarro de Castro.

“Estou muito confiante de que os dois novos of counsel são o reforço que a TELLES procurava para as áreas de prática de, respetivamente, societário e arbitragem e administrativo e contratação pública. Ficamos muito satisfeitos pelo facto destes dois reconhecidos advogados nas suas áreas de atuação terem tomado a decisão de integrar o nosso escritório.

“A TELLES é uma sociedade que tem vindo a afirmar-se cada vez mais no mercado nacional e internacional, sem nunca perder o foco na melhoria constante da qualidade dos serviços que presta, pelo que cada novo membro da nossa equipa é sempre uma aposta da TELLES na melhoria dos serviços jurídicos disponibilizados.”, reforça Miguel Torres.

Pedro da Costa Mendes, of counsel, é licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade Católica do Porto, tendo ainda obtido o LLM em Direito Comunitário e Internacional, pela Universidade Católica de Louvain (Bélgica), e concluindo a pós-graduação em Fiscalidade pelo Instituto de Estudos Financeiros e Fiscais. Destaque ainda para a conclusão dos programas “Pratical Constructon Law”, na Universidade de George Washington (Washington DC), “Negotiating, Drafting, Managing International Contracts and Conflict Resolution”, pela Camâra de Comércio Internacional do Instirute of World Business Law (Paris), e, ainda, “Drafring International Commercial Agreements”, por Hawskmere (Bruxelas). Na área do Direito, exerceu advocacia em escritórios de Bruxelas e Lisboa, e foi sócio-fundador de um escritório na cidade do Porto. Na Ordem dos Advogados, foi membro ca Comissão das Relações Internacionais do Conselho Distrital do Porto. Relevo ainda pela sua participação enquanto diretor dos Serviços Jurídicos, membro da Mesa da Assembleia Geral e Secretário Geral da Sociedade do grupo EFACEC.

Miguel Navarro de Castro, of counsel, integra a área de prática de Direito Público da TELLES. É licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Lusíada de Lisboa, tendo concluído a pós-graduação em Ciências Jurídico-Administrativas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. No exercício da sua atividade, Miguel Navarro de Castro conta com um percurso profissional abrangente, onde se destacam as posições de adjunto dos Gabinetes dos Presidentes do Supremo Tribunal Administrativo e do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais. Destaque ainda para a sua integração nas listas de árbitros, em matéria administrativa do Centro de Arbitragem Administrativa e do Tribunal Arbitral do Desporto.

Os advogados exercerão a sua atividade nos escritórios de Lisboa e do Porto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Telles com três novos sócios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião