BCE já deu luz verde a Miguel Maya. Substitui Nuno Amado como CEO do BCP

Miguel Maya já recebeu luz verde do Banco Central Europeu. É o novo CEO do BCP, substituindo Nuno Amado, que se mantém como chairman da instituição financeira.

Quase três meses depois de ter sido aprovado com 95% dos votos dos acionistas presentes na assembleia geral, Miguel Maya tem finalmente luz verde do Banco Central Europeu (BCE) para assumir a liderança executiva do Banco Comercial Português (BCP). Maya passa assim a ocupar o cargo de CEO, substituindo Nuno Amado, que se mantém como chairman da instituição financeira.

“O BCP informa que, na sequência da receção de ofício do BCE, entrou hoje em funções o conselho de administração eleito na assembleia geral anual de acionistas realizada no passado dia 30 de maio“, refere o comunicado enviado pela instituição financeira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O conselho de administração do BCP, que encolheu para 17 gestores, conta com Miguel Bragança, João Nuno Palma, José Miguel Pessanha e Rui Teixeira, que transitam do último mandato. Já Maria José Barreto de Campos, que entrou no BCP através do Banco Comercial de Macau, estreia-se na administração que tem, agora, Maya à frente.

Maya assume o lugar de Amado, que continua no banco. Nuno Amado, que foi CEO do BCP nos últimos seis anos, passa para o lugar de chairman, tendo consigo Jorge Magalhães Correia, presidente da Fidelidade indicado pela Fosun, José Elias da Costa (independente), Lingjiang Xu (Fosun), Teófilo da Fonseca (independente), Valter Barros (independente) e Xiao Xu Gu (Fosun).

Manter a estratégia. Entrar no “ciclo da inovação”

Na altura em que foi aprovado pelos acionistas para assumir o cargo de CEO, Maya, que já está no BCP há 28 anos, garantiu que pretende manter a estratégia até agora conduzida por Amado. “Fechámos um ciclo de resiliência do banco. E agora vamos para um ciclo de inovação”, afirmou o novo CEO do BCP.

“Temos de revitalizar o banco. É isso que temos de fazer. Mas quero discutir com os colegas e depois em conselho de administração. Aí sim apresentaremos ao mercado o plano estratégico”, nota o gestor, que disse, à data, abraçar o desafio com “enorme entusiasmo” e “honrando por ter este desafio e por poder contar com um conselho de administração forte”.

Ao seu conselho de administração, com 17 membros, caberá apresentar as contas do segundo trimestre, evento que acontecerá ainda esta semana. Na quinta-feira, 26 de julho, o BCP vai mostrar aos investidores os resultados alcançados, sendo que o BPI estima que os lucros do banco tenham crescido para 58 milhões nos últimos três meses. Aponta para 144 milhões na primeira metade do ano, um crescimento de 60%.

(Notícia atualizada ás 20h08 com mais informação)

Comentários ({{ total }})

BCE já deu luz verde a Miguel Maya. Substitui Nuno Amado como CEO do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião