Clubes portugueses já faturaram 180 milhões com a venda de jogadores. Quem são os campeões?

O FC Porto lidera destacado o ranking das transferências, seguido do Sporting. Mais de 60% dos clubes que vão jogar na I Liga ainda não gastaram um cêntimo a contratar jogadores.

Diogo Dalot, William Carvalho e João Carvalho renderam muitos milhões ao FC Porto, Sporting e Benfica.

É já no próximo sábado, dia 4, que arranca oficialmente a nova época desportiva 2018/2019, com o jogo entre o Desportivo das Aves e o FC Porto para a Supertaça Cândido de Oliveira. Os clubes já estão a preparar os plantéis e, como é habitual nesta altura do ano, todos os dias há notícias de compras e vendas.

Ainda esta quarta-feira, o Atlético de Madrid oficializou a contratação de Gelson Martins, que tinha rescindido com o Sporting. No caso do antigo jogador leonino, a transferência foi a custo zero e não ajudou a encher os cofres de Alvalade.

Neste campeonato das transferências, o FC Porto lidera, tendo até agora, e segundo os dados da Transfermarkt, conseguido um ganho de 38,2 milhões de euros. Este encaixe líquido resultou da venda de jogadores avaliados em 65 milhões de euros e dos gastos com novos atletas de 26,8 milhões. Até agora, o jogador que custou mais dinheiro aos cofres dos azuis e brancos foi o defesa central Mbemba que veio do Newcastle por 8 milhões. Em termos de vendas, Diogo Dalot (para o Manchester United) e Ricardo Pereira (para o Leicester) foram os dois que renderam mais euros: 22 milhões cada.

Fonte: Transfermarkt | Valores contabilizados a 26 de julho, às 10h30

O clube liderado por Pinto da Costa estava sob a alçada do chamado fair-play da UEFA, sendo que o organismo já veio dizer que o FC Porto cumpriu com as exigências do fair-play financeiro na época 2017/18, mas que vai manter um regime de monitorização até à época 2020/21.

Na lista dos clubes que mais ganharam com as transferências segue-se o Sporting que viu algumas das suas estrelas saírem, invocando justa causa depois dos incidentes na Academia de Alcochete de 15 de maio. Com alguns, como foi o caso de William Carvalho, o clube conseguiu negociar, tendo neste caso conseguido um encaixe de 20 milhões pelo internacional português.

O Benfica, até agora, entre vendas e compras, conseguiu um encaixe líquido de 14,22 milhões de euros, mas poderá estar à espera do acesso à Liga dos Campeões para decidir novos investimentos ou vendas no plantel. O mercado de transferências de verão só fecha a 20 de setembro.

A venda de Pelé ao Mónaco, de Raphinha ao Sporting e de Oghenekaro Etebo ao Stoke também permitiram a clubes como o Rio Ave, o Vitória de Guimarães e o Feirense encaixes relevantes (ver tabela).

Mas a maior parte (11) dos clubes que vai jogar o campeonato de futebol (18 no total) não gastou ainda um cêntimo com as transferências, preferindo as tradicionais e poupadas transferências a custo zero ou os empréstimos.

Dos 18 clubes, até agora só um (o Nacional) é que está a ter prejuízos entre o dever e o haver das transferências. Segundo os dados da Transfermarkt, o clube da Madeira comprou Aleksandar Palocevic ao Arouca por 1,2 milhões de euros e ainda não encaixou nada com as vendas.

No total, os clubes da I Liga já faturaram 180,44 milhões de euros com a venda de atletas e já gastaram 65,83 milhões em compras, ou seja, até agora registaram nos balanços um ganho líquido de 114,61 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Clubes portugueses já faturaram 180 milhões com a venda de jogadores. Quem são os campeões?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião