Galp já explora petróleo num novo bloco em Angola. Pode produzir 115 mil barris por dia

A primeira unidade de exploração do projeto Kaombo já está a operar e deverá produzir até 115 mil barris de petróleo por dia. Galp Energia detém 5% do consórcio responsável.

O consórcio responsável pelo projeto Kaombo, do qual faz parte a Galp Energia, já começou a produzir petróleo no chamado Bloco 32, em Angola. A primeira unidade de exploração já iniciou a exploração e estima-se que venha a produzir 115 mil barris de petróleo por dia. Há ainda uma segunda unidade que deverá começar a operar em 2019. O projeto prevê um investimento total na ordem dos 11,5 mil milhões de euros e a petrolífera portuguesa detém uma participação de 5% no consórcio, que é operado pela Total.

“A Galp, parceira do consórcio para o desenvolvimento do Bloco 32, informa que se iniciou a produção do projeto Kaombo, através da FPSO [unidade de exploração flutuante] que irá desenvolver a área de Kaombo Norte, localizada aproximadamente a 260 quilómetros da costa de Luanda, em profundidades de água entre os 1.400 e 1.950 metros”, anunciou a empresa num comunicado enviado à CMVM.

Quando as duas unidades estiverem a operar, o consórcio deverá conseguir retirar até 230 mil barris de petróleo por dia. “As unidades serão conectadas a 59 poços submersos com vista ao desenvolvimento dos recursos localizados em seis descobertas efetuadas na parte central e sul do Bloco 32”, refere a petrolífera portuguesa. “A estimativa de volumes totais a serem recuperados dos campos é de cerca de 650 milhões de barris de petróleo”, acrescenta.

Segundo a empresa, “Angola é uma das principais regiões das atividades do grupo Galp”. A empresa está presente neste mercado desde 1982. Como nota a petrolífera portuguesa, o projeto Kaombo tem sido considerado “um dos mais relevantes desenvolvimentos a ocorrer no país” e “um importante fator de contribuição para o crescimento da produção” do grupo.

O consórcio responsável por este projeto é operado pela Total, que detém uma participação de 30%. A Sonangol P&P detém outros 30%, enquanto a Sonangol Sinopec International detém 20%. A Esso Exploration e Production Angola é dona de 15% e a portuguesa Galp Energia participa em 5%.

(Notícia atualizada às 15h01 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp já explora petróleo num novo bloco em Angola. Pode produzir 115 mil barris por dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião