Número de mortos na Grécia sobe para 86

  • Lusa
  • 27 Julho 2018

O Governo grego divulgou uma série de imagens de satélite que apontam que os incêndios foram premeditados. Foram registados em menos de meia hora 13 focos diferentes, todos alinhados com a estrada.

O número de mortos nos incêndios ocorridos na segunda-feira na Grécia subiu para 86, informou esta sexta-feira o chefe do serviço forense de Atenas, Nikos Karakukis.

Segundo as autoridades, continuam hospitalizadas 53 pessoas, entre as quais quatro crianças, e 11 dos feridos estão em estado crítico. Das pessoas relatadas como desaparecidas, 40 já foram encontradas vivas, de acordo com o ministro da Proteção ao Cidadão, Nikos Toskas.

Até agora, não existe uma lista oficial de pessoas desaparecidas, porque entre as pessoas procuradas estavam as mortas e as autoridades não querem especular até que todos os corpos sejam identificados.

De acordo com o Ministério das Infraestruturas, 51% dos 3.546 edifícios já inspecionados estão inabitáveis.

O Governo grego divulgou na quinta-feira uma série de imagens de satélite que apontam que os incêndios foram premeditados.

O ministro da Proteção ao Cidadão disse ainda que não são apenas “sinais”, mas há “evidências” e testemunhos que sustentam esta hipótese. Nikos Toskas falou de um “achado suspeito” em Mati, local onde todas as mortes foram registadas.

A investigação foi realizada com a ajuda de imagens de satélite solicitadas à NASA, ao Programa de Observação Espacial da União Europeia e outras entidades internacionais. Usando essas imagens, Toskas e os chefes dos bombeiros e polícia explicaram que não apenas o incêndio de Mati, mas também o de Kineta, numa área florestal a oeste de Atenas, foram provavelmente provocados.

Foram registados em menos de meia hora treze focos diferentes, todos alinhados paralelamente à estrada, como mostram as fotos e os vídeos dos satélites.

O Governo de Alexis Tsipras pediu ajuda internacional na noite de segunda-feira, tendo já alguns países respondido com meios de apoio. Portugal enviou 50 elementos da Força Especial de Bombeiros (FEB) para ajudar a combater os incêndios na Grécia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de mortos na Grécia sobe para 86

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião