Juíza justifica-se: sentença de Salgado tem menos 110 páginas porque “corpo de letra foi alterado”

Juíza que condenou Salgado responde, através do Conselho Superior da Magistratura: "a diferença de páginas existente deve-se, tão-só, ao facto de ter sido alterado o corpo de letra".

A juíza Anabela Campos — que aplicou uma multa de 3,7 milhões de euros a Ricardo Salgado — justificou a diferença de 110 páginas na decisão de 30 de abril face à inserida no Citius, dias depois, apenas porque foi alterado “o corpo de letra” do documento Word. A justificação foi enviada ao ECO/Advocatus pelo Conselho Superior da Magistratura, órgão que tutela os magistrados judiciais.

A defesa do ex-líder do Banco Espírito Santo (BES) — protagonizada por Francisco Proença de Carvalho (na foto à direita) e Adriano Squillace (na foto à esquerda) — entregou o recurso dessa mesma decisão no Tribunal da Relação de Lisboa. Sendo que um dos argumentos usados é a inexistência jurídica dessa mesma sentença. Os advogados alegam que o facto de existir uma primeira versão com 1150 páginas — a que foi lida a 30 de abril — e uma de 1040 páginas, que acabou depositada no Citius (sistema informático dos tribunais) resulta nessa mesmo inexistência jurídica ou nulidade da decisão.

“Com base em informação prestada pela senhora Juíza titular dos autos, a diferença de páginas existente entre a decisão pública lida publicamente pela magistrada a 30 de Abril de 2018 e a que foi depois inserida no sistema eletrónico Citius se deve, tão-só, ao facto de ter sido alterado o corpo de letra”, explicou ao ECO/Advocatus o Conselho Superior da Magistratura, órgão que tutela os magistrados judiciais.

A defesa de Ricardo Salgado alega ainda que a condenação é baseada numa única testemunha (o contabilista de Salgado, Francisco Machado da Cruz) que falou do mesmo assunto — mas de 14 formas distintas. E ainda a recusa do mesmo tribunal de Santarém em juntar ao processo o relatório da resolução do BES, que imputa responsabilidades ao BdP pela resolução da instituição financeira, conhecida a 3 de agosto de 2014.

“Aquando a leitura em audiência do documento Word, o corpo de letra encontrava-se em
tamanho 12, tendo o documento assumido o corpo de letra 11 assim que foi inserido no sistema.
O documento passou, assim, a ter 1040 páginas em vez das 1150 páginas da sentença lida. Quer o
Ministério Público, quer os advogados dos arguidos e do Banco de Portugal ficaram
cientes do acima explicado”, concluiu a mesma nota do Conselho Superior da Magistratura.

Em causa o processo das contraordenações aplicadas pelo Banco de Portugal (BdP), em agosto de 2016, por comercialização de títulos de dívida da Espírito Santo Internacional (ESI) junto de clientes do BES. Este que foi primeiro dos cinco processos sancionatórios que foram abertos contra a Comissão Executiva do BES liderada por Ricardo Salgado. O regulador condenou o ex-banqueiro a uma multa de 4 milhões de euros. Perante esta decisão, a defesa de Salgado recorreu para o Tribunal de Santarém que baixou esse valor para 3,7 milhões de euros. O que levou a defesa ainda a recorrer para a Relação.

Questionado na altura pela defesa de Ricardo Salgado, o tribunal argumentou “numa base puramente informal, que tal discrepância de páginas se deveria, possivelmente, a questões de formatação com a inserção no Citius, o que veio a ser reafirmado pelo mesmo tribunal a 18 de maio deste ano”, diz a defesa.

A defesa não aceita esta explicação e acrescenta ainda, porém, que este é um “documento inacabado” e que, por isso, “a decisão final não existe”. Com base neste pressuposto, alega assim a inexistência jurídica da decisão final, com a consequente necessidade de repetição da mesma.

O que o Tribunal de Santarém deu como provado?

Segundo avançou o Jornal Económico, na decisão do Tribunal de Santarém ficou provado que os fundos de investimento internacionais Blackstone & Weil e KKR queriam investir no BES três semanas antes da queda do banco, a 3 de agosto de 2014. A decisão diz ainda que, para o efeito, quiseram reunir com o Banco de Portugal (BdP). Carlos Costa recusou viabilizar tal hipótese precisamente 21 dias antes da decisão de resolução do antigo BES, a 3 de agosto de 2014. O BdP advertiu que “seria negativo o conhecimento público da existência desses contactos com a B&W quando a mensagem a transmitir é, precisamente, a da solidez do BES”.

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juíza justifica-se: sentença de Salgado tem menos 110 páginas porque “corpo de letra foi alterado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião