Consumidores procuram cada vez mais crédito fora dos bancos

Portugueses pediram mais de 500 milhões de euros de crédito ao consumo por mês no ano passado. Mas cada vez mais estes empréstimos são pedidos fora dos balcões dos bancos.

Cada vez mais, os portugueses estão a evitar os balcões da banca tradicional na hora de pedir um empréstimo para consumo, procurando financiamento para as suas compras de automóveis, férias, eletrodomésticos, entre outros, junto dos estabelecimentos comerciais onde adquirem os bens.

“Em 2017, mais de metade do montante de crédito aos consumidores foi concedido diretamente na instituição de crédito (54,6%), embora se tenha verificado uma diminuição da importância relativa deste canal de comercialização que, em 2016 e 2015, representava, respetivamente, 59,4% e 60,6% do montante concedido”, revela o Relatório de Acompanhamento dos Mercados Bancários de Retalho 2017 divulgado esta quarta-feira pelo Banco de Portugal.

Evitando os balcões dos bancos, os consumidores estão a contratar mais crédito junto dos chamados pontos de venda em que é efetuada a compra do bem: no ano passado, este canal de comercialização foi responsável por 45,4% do montante de crédito ao consumo cedido, aumentando significativamente o seu peso face a 2016 (40,6%) e 2015 (39,4%).

“Esta evolução está associada ao aumento da importância das instituições com atividade especializada, que recorrem mais frequentemente à contratação através do ponto de venda, mas também ao aumento do peso do crédito automóvel no total do crédito aos consumidores, uma vez que o ponto de venda é o canal mais frequente na comercialização deste tipo de crédito”, explica o Banco de Portugal.

Dados que surgem num contexto de forte expansão do mercado de crédito aos consumidores. Desde 2013 que os empréstimos para os consumidores têm vindo a crescer de forma substancial, tendo o montante aumentado em 12% no ano passado.

“Foram concedidos, em média, 556,8 milhões de euros de crédito aos consumidores por mês [durante o ano de 2017], o que compara com 497,4 milhões de euros em 2016 e 423,1 milhões em 2015″, nota a instituição. Sublinha que em 2017 foram concedidos, em média, mais 100 milhões de euros por mês do que em 2010, “que precedeu a contração do mercado de crédito aos consumidores”.

O relatório evidencia ainda que o custo do crédito aos consumidores voltou a diminuir em 2017. “A taxa anual de encargos efetiva global (TAEG) média do mercado foi de 10,7% no quarto trimestre de 2017”, indica o Banco de Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consumidores procuram cada vez mais crédito fora dos bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião