Tavares Rico muda de mãos. Foi comprado pelo grupo Multifood, dono do Vitaminas

Histórico restaurante lisboeta é agora do grupo dirigido por Rui Sanches, dono de marcas como os restaurantes Alma, de Henrique Sá Pessoa, e Pesca, cuja cozinha está nas mãos do chef Diogo Noronha.

Fundado em 1784, o histórico restaurante lisboeta Tavares Rico foi comprado pelo grupo Multifood, dono da rede Vitaminas, entre outras marcas.

“O Tavares era um sonho antigo, mas há 20 anos que sabemos que crescer leva tempo, exige responsabilidade e muito trabalho. Adquirimos com orgulho o emblemático espaço alfacinha, com o objetivo de o restituir à elite dos grandes restaurantes de Lisboa e do país”, explica Rui Sanches, fundador e CEO do grupo, citado em comunicado.

Fundada em 1998, a Multifood gere marcas como o Alma, do qual Henrique Sá Pessoa é o chef Executivo e que ganhou uma estrela Michelin em 2015, o Pesca, chefiado por Diogo Noronha, o Tapisco ou a Sala de Corte, que reabriu na semana passada, bem como o Delidelux ou a Pizzaria ZeroZero.

Rui Sanches, CEO e fundador da Multifood.D.R.

De acordo com a página do LikedIn do grupo, a empresa 100% portuguesa gere mais de uma centena de restaurantes de norte a sul do país, ilhas incluídas, 19 marcas (18 próprias e uma internacional).

Depois da compra pelo grupo, o restaurante vai continuar a trabalhar com normalidade e o grupo assegurará “toda a operação do espaço, mantendo os fornecedores e a equipa residente, assim como o menu e os horários”.

O Tavares Rico é um dos mais antigos restaurantes da Europa e mantém o nome quase contemporâneo à sua fundação, herdado dos irmãos Tavares que tomaram conta da casa a partir de 1823. A talha dourada, os vitrais e os lustres de cristal testemunharam muitos dos acontecimentos políticos ao longo dos anos, como o conflito dentre Miguelistas e Liberais, e constam de obras de escritores como Camilo Castelo Branco e Eça de Queirós, habituais clientes do restaurante.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tavares Rico muda de mãos. Foi comprado pelo grupo Multifood, dono do Vitaminas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião