Agros quer reverter descida do preço do leite ao produtor

  • Lusa
  • 10 Agosto 2018

A Agros é contra os “avultados lucros” que a Lactogal teve nos últimos anos, afirmando que é “uma empresa com raízes cooperativas em que o lucro não pode ser só o seu objetivo”.

O Conselho de Administração da Agros garantiu hoje que está contra a descida do preço pago ao produtor por litro de leite e adiantou que já pediu uma reunião com a Lactogal para solicitar o retrocesso da medida.

“Fomos contra a proposta da Lactogal de redução do preço pago por litro de leite em um cêntimo. Por acreditarmos que a redução do preço […] foi uma medida tomada sem a devida ponderação das suas repercussões […] convocamos uma reunião do Conselho de Administração da Lactogal, para que seja deliberado a manutenção do preço do leite”, disse, em comunicado, a Agros. No entanto, até ao momento, a Lactogal não deu resposta ao pedido.

De acordo com a Agros, é “uma contradição” avançar com medidas para reduzir o volume do leite recolhido para valorizar a matéria-prima e, por outro lado, “anunciar uma descida do preço pago por litro de leite”.

A união de cooperativas mostrou ainda desagrado contra os “avultados lucros” que a Lactogal teve nos últimos anos, uma vez que se trata “de uma empresa com raízes cooperativas em que o lucro não pode ser só o seu objetivo”.

A Agros disse também estar consciente dos “sacrifícios que se avizinham” e das dificuldades do setor. “O futuro das organizações depende de as lideranças saberem enfrentar cada dificuldade como um novo desafio, encontrando as soluções de forma a conseguir sair ainda mais fortes, sendo que para esse desiderato é necessário ter em cada momento a capacidade de dar espaço àqueles que querem mais”, concluiu.

Na quinta-feira, mais de meio milhar de produtores de leite pediram a demissão da administração da Lactogal, empresa agroalimentar portuguesa, que acusam estar a prejudicar o setor que este ano já perdeu mais de 160 explorações de leite. “Já temos contabilizadas 160 explorações que fecharam desde o dia 1 de janeiro até hoje”, avançou à Lusa Jorge Oliveira, presidente da Associação de Produtores de Leite de Portugal (APROLEP), durante a manifestação que decorreu no Porto, cidade onde está localizada a sede administrativa da Lactogal.

Por sua vez, a Lactogal disse “desconhecer as motivações” da associação de produtores de leite de Portugal que levou a convocar uma manifestação do setor do leite.

O presidente da Associação dos Produtores de Leite de Portugal (Aprolep), Jorge Oliveira, disse à Lusa, no mesmo dia, que a Lactogal baixou, em 31 de julho, em um cêntimo o valor pago por litro de leite aos produtores, pouco após ter incentivado o setor a aderir a um resgate de leite (fim do fornecimento) ou redução dos contratos. “A Lactogal tem excesso de produção […] e optaram por incentivar a diminuição da produção em cerca de 60 milhões de litros de leite. Estas medidas foram tomadas para ajudar a que o leite que ficava [cerca de 820 milhões de litros] fosse mais valorizado”, indicou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Agros quer reverter descida do preço do leite ao produtor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião