Pedro Queiroz Pereira foi vítima de enfarte que o fez cair das escadas do iate

  • Lusa e ECO
  • 20 Agosto 2018

O empresário Pedro Queiroz Pereira, que morreu este sábado no iate em Ibiza, foi vítima de um enfarte que o fez cair de uma escadaria com oito degraus, revelou a agência Efe.

As conclusões preliminares da autópsia ao corpo do empresário Pedro Queiroz Pereira, que morreu no sábado em Ibiza, indicaram que o português foi vítima de ataque cardíaco, disse à Lusa fonte oficial da Navigator. Segundo a fonte do grupo industrial, para já ainda não está determinado se a queda foi consequência do ataque cardíaco ou se o ataque cardíaco aconteceu após a queda no iate em que passava férias em Ibiza, em Espanha. Quanto ao corpo do empresário, será transportado para Portugal nas próximas 24 horas, indicou a mesma fonte.

Esta segunda-feira à tarde, a agência espanhola Efe revelou que a queda da escadaria de oito degraus terá ocorrido após o enfarte. A agência cita fontes policiais com conhecimento dos resultados da autópsia.

A morte do empresário Pedro Queiroz Pereira, no sábado, no seu iate na ilha espanhola de Ibiza, está a ser investigada pela Polícia Nacional de Espanha, tal como disse no domingo à agência Lusa fonte desta corporação, que remeteu esclarecimentos para esta segunda-feira. A Lusa também contactou as autoridades espanholas para obter informações sobre os resultados da autópsia, mas para já sem sucesso.

Pedro Queiroz Pereira, um dos mais importantes empresários de Portugal, era dono da empresa de papel Navigator (antiga Portucel) e da cimenteira Secil. Morreu no sábado à noite, aos 69 anos, em Ibiza, onde passava regularmente férias.

Segundo a revista Exame, Pedro Queiroz Pereira era detentor de uma fortuna avaliada em 779 milhões de euros (em conjunto com a mãe), o que fazia dele o sétimo homem mais rico do país. Acionista maioritário do grupo Semapa, Queiroz Pereira era proprietário da Navigator, mas também da cimenteira Secil e de negócios na área do ambiente e da energia.

(Notícia atualizada às 17h07 com mais informações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Queiroz Pereira foi vítima de enfarte que o fez cair das escadas do iate

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião