Renovação do mandato de Joana Marques Vidal nas mãos do Presidente da República

  • ECO
  • 27 Agosto 2018

Com o Governo pouco inclinado para a manutenção de Joana Marques Vidal na liderança do Ministério Público, será Marcelo Rebelo de Sousa a tomar a decisão final.

A manutenção de Joana Marques Vidal como procuradora-geral da República está nas mãos do Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, sublinha esta segunda-feira o Diário de Notícias. O mandato termina em outubro e, apesar de já estar esclarecido que a lei não impede a renovação do mesmo, ainda não é certo o destino da atual procuradora-geral. A Constituição determina que o Governo proponha um nome, reservando ao chefe de Estado o poder de nomear alguém para ocupar este cargo.

Como já é sabido — até pelas polémicas declarações em janeiro por parte da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem –, o Governo não está inclinado para uma renovação do mandato de Joana Marques Vidal. No entanto, o primeiro-ministro, António Costa, já admitiu abertura para discutir este assunto em Belém em outubro, ou antes.

A chefe do Ministério Público tem em mãos alguns dossiês quentes, como é o caso da Operação Marquês e da investigação ao furto de armamento militar em Tancos, um caso que ainda não foi esclarecido, marcado por diversos avanços e recuos.

Por um lado, António Costa já se queixou da “demora” na investigação a este último caso, algo que, segundo o jornal, pode ser interpretado como um sinal de irritação do Governo para com a procuradora-geral. Por outro lado, Marcelo Rebelo de Sousa também elevou a fasquia em julho, tendo exigido um “esclarecimento cabal” sobre o sucedido.

Mas o tema é ainda mais sensível do que isso. Como nota o Diário de Notícias, Joana Marques Vidal tem níveis de prestígio “bastante altos” tendo em conta os seus antecessores no cargo. Afastar a procuradora-geral do cargo poderia ser interpretado como uma punição pela investigação ao ex-primeiro-ministro José Sócrates, ou ao desfecho do caso que envolve o ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renovação do mandato de Joana Marques Vidal nas mãos do Presidente da República

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião