Avaliação que bancos fazem das casas sobe pelo 16.º mês. Metro quadrado fixa novo máximo da década nos 1.187 euros

O preço a que os bancos avaliam as casas para efeitos de crédito sobe há 16 meses. Em julho, atingiu o valor mais elevado da última década, atingindo os 1.187 euros por metro quadrado.

A avaliação que os bancos atribuem às casas para efeitos de concessão de crédito voltou a aumentar em julho. O valor médio da avaliação bancária subiu pelo 16.º mês seguido, atingindo os 1.187 euros por metro quadrado, o que corresponde ao máximo da última década.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), o preço a que os bancos avaliam a as habitações quando concedem empréstimos avançou sete euros em julho face ao mês anterior. A avaliação média de 1.187 euros por metro quadrado representa, por isso, “um aumento de 0,6% relativamente a junho e de 6,3% face ao mesmo mês do ano anterior”, explica o gabinete de estatísticas esta quarta-feira. Em julho de 2017, o metro quadrado das casas estava avaliado em 1.117 euros, menos 70 euros.

A evolução ascendente da avaliação bancária reflete o dinamismo que o mercado imobiliário nacional tem observado nos últimos anos. Julho foi mesmo o 16.º mês consecutivo de aumento dos preços, levando-os para o valor mais elevado desde setembro de 2008, data da última estatística relativa à avaliação bancária disponibilizada pelo INE.

Por tipologias, os apartamentos mantêm-se com a maior avaliação da parte dos bancos: cada metro quadrado encontrava-se avaliado em 1.243 euros em julho, o que representa um aumento de 5 euros face a junho e 43 euros face ao início do ano. Já as moradias atingiram uma avaliação média de 1.090 euros por metro quadrado, subido 13 euros em termos mensais.

Avaliação das casas em máximos da década

Fonte: INE

Algarve e Norte lideram subidas

As regiões do Algarve e Norte registaram as maiores subidas mensais no que toca às avaliações bancárias das casas. No caso algarvio, a média dos preços atribuídos pelos bancos subiu 21 euros em julho face ao mês anterior, fixando o metro quadrado nos 1.524 euros. No Norte, as casas apresentavam uma variação mensal de 14 euros, com cada metro quadrado avaliado em 1.071 euros por metro quadrado.

Na Área Metropolitana de Lisboa, onde a questão da habitação tem sido motivo de maior discussão pública, registou-se um aumento de 9 euros para os 1.456 euros por metro quadrado. Desde o início do ano, a avaliação bancária em Lisboa observa um aumento de 64 euros por metro quadrado, um desempenho só superado pelo Algarve, onde as casas apresentavam, em julho, uma avaliação 73 euros acima do verificado no final do ano passado.

Foram duas as regiões que viram a avaliação das casas atribuídas pelos bancos recuar no mês passado: Região Autónoma dos Açores e Região Autónoma da Madeira, com quedas de 20 euros e 2 euros respetivamente. Nos Açores, o metro quadrado da habitação estava avaliado em 1.015 euros, enquanto os bancos davam um valor de 1.315 euros ao metro quadrado de uma casa na Madeira.

(Notícia atualizada às 11h42)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Avaliação que bancos fazem das casas sobe pelo 16.º mês. Metro quadrado fixa novo máximo da década nos 1.187 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião