Peso afunda face ao dólar. FMI pode rever resgate à Argentina

O valor do peso afundou na quarta-feira para mínimos históricos. Mauricio Macri, Presidente da Argentina, pediu ajuda e o FMI concordou em rever o calendário do programa de resgate.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) concordou em rever os termos do resgate de 50 mil milhões de dólares à Argentina, depois de o valor do peso argentino ter registado a maior queda dos últimos três anos, atingindo um mínimo histórico esta quarta-feira, de acordo com o Financial Times (acesso condicionado).

O Presidente argentino, Mauricio Macri, apelou ao fundo para que acelere o desbloqueio das tranches, numa altura em que o país teme não ser capaz de garantir o financiamento necessário até 2019, mesmo depois de o FMI ter entregado a primeira tranche de 15 mil milhões de dólares no passado mês de junho.

O FMI está disponível para rever os termos face ao cenário inesperado de desvalorização da divisa nacional. Depois do pedido público de auxílio por parte do Presidente, Christine Lagarde, líder do FMI, disse que vai “reavaliar as fases do programa de ajuda financeira”, um sinal de que o fundo poderá recalendarizar e acelerar o desbloqueio das tranches.

“Tendo em consideração as condições de mercado mais adversas, que não tinham sido totalmente antecipadas no programa original da Argentina, as autoridades vão trabalhar para rever o plano económico do Governo, com foco em isolar melhor o país das recentes alterações nos mercados financeiros globais”, disse a presidente do FMI. “Instruí a equipa do FMI para trabalhar em conjunto com as autoridades argentinas para reforçar o acordo de ajuda financeira e para reavaliar as fases do programa de financiamento”, acrescentou.

Já esta quinta-feira, o banco central argentino subiu as taxas de juro na ordem dos 15 pontos percentuais para 60%, depois de o peso ter iniciado uma nova queda de 15% após a abertura de Wall Street. No início do mês, os juros já tinham sido aumentados para 45%, mas isso não impediu a queda do valor da divisa.

A Argentina está ao abrigo de um resgate de 50 mil milhões de dólares por parte do FMI e precisa de 82 mil milhões de dólares de financiamento para este e para o próximo ano. No entanto, a queda do valor do peso deixou dúvidas quanto à capacidade de o país se financiar. Desde o início de agosto, o peso já depreciou 24% face ao dólar, uma queda que é de 45% desde o início do ano. Esta quarta-feira, recuou 7,9% para um mínimo histórico de 34 pesos por dólar.

(Notícia atualizada às 15h43 com nova subida dos juros por parte do banco central argentino)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Peso afunda face ao dólar. FMI pode rever resgate à Argentina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião