CDS-PP quer reduzir IRS e alargar ADSE

  • ECO
  • 8 Setembro 2018

CDS-PP acusa Governo de "fazer propaganda para certos grupos" com proposta de redução do IRS para emigrantes que queiram regressar e sugere alargamento do alívio fiscal a todos os portugueses.

Depois de António Costa ter anunciado a redução do IRS para os emigrantes que queiram regressar a Portugal, Assunção Cristas defende agora o alargamento desse alívio fiscal a todos os portugueses. A medida será anunciada este sábado, na festa que marcará o recomeço do ano político do CDS-PP, segundo avança o Expresso (acesso pago).

No encontro desta noite, a líder centrista irá propor a redução faseada do IRS para todos os portugueses, numa forte crítica ao Executivo por “andar a fazer propaganda para certos grupos por motivos eleitoralistas”.

António Costa tinha anunciado que o Governo quer reduzir em 50% o IRS para os emigrantes que tenham saído do país durante a crise e queiram agora regressar ao país. Em alternativa, Cristas irá sugerir uma medida a concretizar “no horizonte de uma legislatura”, que deverá abranger todos os portugueses.

Questionada sobre o impacto financeiro dessa proposta, a centrista explica que tal está a ser avaliado pelo gabinete de estudos do partido, mas deixa a nota: “Se há 750 milhões de euros para aumentar funcionários públicos…”

Além desta redução da carga fiscal, Assunção Cristas vai aproveitar a ocasião para propor o alargamento do acesso à ADSE a todos os portugueses que assim o desejem. “Se é um sistema bom, o princípio não deve ser diminuir a sua sustentabilidade, mas que todos devam poder aceder”, defende o CDS-PP, de acordo com o jornal referido.

Essa medida contraria claramente o que tem sido defendido pela esquerda. O Bloco de Esquerda, por exemplo, quer que no Orçamento do Estado para o próximo ano esteja estipulada a redução das contribuições para a ADSE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS-PP quer reduzir IRS e alargar ADSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião