Se fosse pelo número de “likes” no Facebook, este seria o próximo presidente do Sporting

  • Rita Frade
  • 8 Setembro 2018

Se a escolha do próximo presidente do Sporting fosse feita com base no número de "likes" no Facebook, já haveria um vencedor. Descubra qual dos seis candidatos seria o eleito.

Candidatos à presidência do Sporting. Da esquerda para a direita: Rui Jorge Rego, Fernando Tavares Pereira, José Maria Ricciardi, Dias Ferreira, João Benedito e Frederico Varandas.Lídia Leão

Apesar de em muitos dos casos não ser um meio prioritário, todos os candidatos à presidência do Sporting fazem questão de ter uma página de Facebook, não só para chegar aos seus eleitores, mas também como forma de divulgar o seu programa eleitoral.

Mas, e se a escolha do próximo presidente do Sporting fosse feita com base no número de “likes” na página de Facebook, da respetiva campanha? Qual dos seis candidatos seria o grande vencedor?

Através da análise às páginas de Facebook dos seis candidatos, rapidamente se percebe que há dois nomes que se destacam em relação aos demais. Um deles é o de Frederico Varandas e o outro é o de João Benedito.

Apesar da pequena margem que os separa, Frederico Varandas lidera a frente da corrida em termos de “likes”. Até ao momento em que o artigo foi elaborado, a página da sua campanha contava já com mais de 27 mil “gostos”.

Imediatamente a seguir a Frederico Varandas surge o antigo guarda-redes de futsal João Benedito, com mais de 21 mil “likes”.

Os restantes cinco candidatos estão a uma distância considerável de Frederico Varandas e de João Benedito: Dias Ferreira tem 10.119 “likes” na página oficial da sua campanha, José Maria Ricciardi 7.536, Fernando Tavares Pereira 4.399 e Rui Jorge Rego 2.251.

Embora esta análise “não possa ser entendida como se fosse uma sondagem, porque os seguidores são livres e os eleitores serão apenas sócios, é um indicador relevante da popularidade de cada um dos candidatos“, diz o diretor executivo do IPAM (Instituto Português de Administração de Marketing), Daniel Sá, ao ECO.

Hoje em dia as redes sociais são uma forma de aferir a visibilidade e a notoriedade de várias coisas, de marcas, de personalidades de atletas e também de candidatos à presidência de um clube e, portanto, acho que esse é um indicador relevante“, conclui.

Relativamente ao facto de a maioria dos candidatos à presidência do Sporting considerar que as redes sociais são importantes, mas não são uma prioridade, Daniel Sá admite que se fosse candidato faria o mesmo, uma vez que “são os sócios, em condições de votar, que decidem o caminho“. É por isso que os candidatos “estão a apostar muito em campanhas de proximidade pessoal (…), onde em teoria se chega a menos gente, mas chega-se às pessoas que interessam, que são as que votam“, acrescenta o diretor executivo. Para além disso, acredita também que “seja difícil gerir as redes sociais numa fase tão efervescente da vida do Sporting“.

"São os sócios, em condições de votar, que decidem o caminho”

Daniel Sá

Diretor Executivo do IPAM (Instituto Português de Administração de Marketing)

Nessa campanha de proximidade pessoal incluem-se os encontros com os diferentes núcleos do país e os e-mails enviados aos sócios. Através desta forma de comunicação, os candidatos pretendem, não só incentivar os sócios a votar, mas também apresentar os motivos pelos quais devem ser o próximo presidente do Sporting.

Num desses e-mails, por exemplo, José Maria Ricciardi dirige-se aos sócios “indecisos”, apelando ao seu voto por serem “‘a única opção’ com o melhor projeto para o Sporting Clube de Portugal“. De uma outra forma, mas com o mesmo intuito, Frederico Varandas diz que é o presidente que o clube precisa: “o Sporting precisa de um presidente a tempo inteiro que perceba de futebol e nos ponha a vencer já“.

Coincidência ou não, as duas sondagens realizadas (uma pela Intercampus para o jornal A Bola e outra pela Domp — Desenvolvimento Organizacional, Marketing e Publicidade, a pedido de José Maria Ricciardi) apontam Frederico Varandas e João Benedito como sendo os dois candidatos favoritos à presidência do Sporting.

A diferença entre as duas sondagens reside, precisamente, nos resultados obtidos pelo terceiro candidato: enquanto na sondagem da Intercampus, José Maria Ricciardi surge com uma intenção de voto de 5,3%, na da Domp é de 28%.

O estudo realizado a pedido de José Maria Ricciardi indica, ainda, que a margem de erro da sondagem é de 3,71%, o que significa que existe um empate técnico entre os três candidatos.

Para a elaboração deste artigo foram tidas em conta as várias páginas de Facebook dos diferentes candidatos à presidência do Sporting, no período de 1 a 6 de setembro de 2018.

A lista completa:

  1. Frederico Varandas – 27.007 “likes”
  2. João Benedito – 21.479 “likes”
  3. Dias Ferreira – 10.119 “likes”
  4. José Maria Ricciardi – 7.536 “likes”
  5. Fernando Tavares Pereira – 4.399 “likes”
  6. Rui Jorge Rego – 2.251 “likes”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Se fosse pelo número de “likes” no Facebook, este seria o próximo presidente do Sporting

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião