Lockheed Martin oferece quase um milhão de euros à melhor tecnologia de condução autónoma

O objetivo da competição é potenciar o desenvolvimento do transporte autónomo, recorrendo a sistemas de inteligência artificial.

Vem aí a Alpha Pilot. O anúncio foi feito pela Lockheed Martin, a Nvidia Corporation e a Drone Racing League (DRL), a principal competição de corrida de drones. Quem decidir participar nesta competição atreve-se a ganhar até dois milhões de dólares, cerca de 1,7 milhões de euros. Mas, para isso, terá de recorrer à inteligência artificial para ganhar a corrida frente a um drone pilotado por um humano.

A Alpha Pilot, que se inicia no final deste ano, é uma competição que propõe aos seus participantes o desafio de desenvolver um sistema de tecnologia de inteligência artificial (IA) que ajude os drones autónomos a vencer uma corrida aos drones pilotados por profissionais mais experientes.

A equipa que conseguir ganhar ao drone pilotado por um humano vai ganhar 250.00 dólares, o equivalente a 216.000 euros. Já o prémio de um milhão de dólares, cerca de 865.00 euros, será entregue a quem criar a melhor tecnologia de condução autónoma.

As corridas serão realizadas só a partir de 2019, numa nova competição no âmbito da Drone Racing League, conhecida como Artificial Intelligence Robotic Racing Circuit. “É uma competição para incentivar a nova geração a investigar sobre autonomia e para lhe oferecer um ambiente no qual pode competir e expandir os limites quanto possível”, disse Nicholas Horbaczewski, da DRL, ao Seattle Times (acesso livre, conteúdo em inglês).

A Lockheed Martin, uma empresa fabricante de produtos aeroespaciais, com sede nos Estados Unidos, afirmou que o objetivo desta iniciativa é contribuir para o desenvolvimento do transporte autónomo, numa altura em que a pilotagem de drones com recurso à inteligência artificial está a provocar um interesse económico, tanto para utilizações civis como para aplicações militares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lockheed Martin oferece quase um milhão de euros à melhor tecnologia de condução autónoma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião