É oficial. Rendas aumentam 1,15% no próximo ano

O aumento resulta da taxa média de inflação nos últimos 12 meses, sem considerar os preços da habitação, que acelerou para 1,15% em agosto.

As rendas serão atualizadas em 1,15% no próximo ano. Este aumento é confirmado, esta quarta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que publica os dados da inflação relativos a agosto de 2018, confirmando a estimativa rápida que tinha divulgado no final de agosto.

O aumento resulta da taxa média de inflação nos últimos 12 meses, sem considerar os preços da habitação que acelerou para 1,15% em agosto, o que representa um ligeiro acréscimo face aos 1,14% registados em julho. Este valor será depois publicado em Diário da República e, após essa publicação, os senhorios que o entenderem (uma vez que a atualização não é obrigatória) poderão comunicar aos inquilinos o aumento das rendas.

Assim, uma renda de 500 euros, por exemplo, passará a ser, com esta atualização, de 505,75 euros no próximo ano, o que corresponde a um aumento acumulado de 69 euros no conjunto do ano.

Os dados mais recentes do INE, relativos ao ano de 2017, mostram que o valor mediano das rendas em Portugal é de 4,39 euros por metro quadrado (o que significa que, por exemplo, é cobrada uma renda de 439 euros por uma casa de 100 metros quadrados), mas os valores variam muito consoante a região. O município de Lisboa é o mais caro, onde a renda mediana é de 9,62 euros por metro quadrado.

Inflação desacelera para 1,2%

No mês de agosto, considerando todas as categorias de produtos, a taxa de inflação diminuiu para 1,2% em termos homólogos, um valor inferior em 0,4 pontos percentuais face ao mês anterior.

A contribuir para esta desaceleração esteve o setor de restaurante e hotéis e de bebidas alcoólicas e tabaco, cuja taxa de inflação foi de 1,1% e 2,4%, respetivamente (tinham sido de 4,8% e 2,9% em julho).

Nas categorias com contribuições positivas para a inflação, o INE destaca a de transportes e a da habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis.

(Notícia atualizada às 11h19 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É oficial. Rendas aumentam 1,15% no próximo ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião