Crescimento já atingiu o pico. OCDE revê em baixa economia da Zona Euro

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico revela no Economic Outlook que o crescimento global vai fixar-se nos 3,7% em 2018 e 2019.

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) reviu em baixa o crescimento das economias europeias no Economic Outlook intercalar. O crescimento das economias mundiais vai fixar-se nos 3,7% em 2018 e 2019.

De acordo com o relatório, a instabilidade derivada da guerra comercial pesa na evolução. Os salários e a inflação estão “surpreendentemente” baixos, mas as previsões apontam para que continue a subir. A OCDE avisa que são necessárias mais reformas fiscais e bancárias para fortalecer a resiliência na Zona Euro.

O crescimento do PIB na Zona Euro viu as previsões recuar 0,2% para 2% em 2018 e 1,9% em 2019. “O crescimento económico na Zona Euro desacelerou desde o início de 2018, particularmente nos setores industriais que foram confrontados com uma menor procura externa, mas está a caminho de manter-se perto dos 2% no período 2018-19″, indicam no relatório.

Desde a última previsão, em maio, todos os valores para o crescimento do PIB foram revistos em baixa, com exceção da Índia, que deverá ser a economia do G20 que cresce a um ritmo mais rápido, e da Arábia Saudita.

As trocas comerciais mundiais já abrandaram nos últimos meses, e os preços de produtos nos setores implicados nas tarifas de Trump aumentaram. As economias de mercado emergentes também influenciam esta revisão no crescimento, ao registar algumas dificuldades nas condições financeiras. A OCDE exemplifica a situação com os casos da Argentina e da Turquia, que acumularam dívida em moedas estrangeiras.

(Notícia atualizada às 11h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crescimento já atingiu o pico. OCDE revê em baixa economia da Zona Euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião