Hoje nas notícias: IVA, dividendos e Tomás Correia

  • ECO
  • 21 Setembro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Governo não tenciona avançar com a redução do IVA da energia, uma medida que teria um impacto orçamental negativo de 500 milhões de euros. Em sentido inverso, o Banco de Portugal poderá vir a entregar ao Estado dividendos recorde, no valor de 600 milhões. Esta sexta-feira, o nome de Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio, também está em destaque.

Redução do IVA da energia custa 500 milhões

Reduzir o IVA da energia, dos atuais 23% para 13%, representaria um impacto orçamental negativo de 500 milhões de euros, estima o Governo. Em termos brutos, o impacto poderia mesmo ascender a 900 milhões de euros. A descida do imposto sobre o preço da eletricidade e do gás natural era uma das reivindicações do Bloco de Esquerda. Mas, de acordo com as informações mais recentes, o Executivo não tenciona avançar com a redução do IVA da energia, como pedem os bloquistas, por não haver margem orçamental para uma medida deste género.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

BdP vai entregar dividendos recorde de 600 milhões

É um valor que ainda está a ser negociado pelo Ministério das Finanças. No entanto, segundo o Jornal Económico, tudo aponta para que o Banco de Portugal (BdP) vá entregar ao Estado dividendos recorde, no valor de 600 milhões de euros. Pelo menos, este é o montante com que o Governo está a contar ao nível de receita para o Orçamento do Estado de 2019.

Leia a notícia completa no Jornal Económico (link indisponível).

Associação Mutualista vai dar lucro este ano

O presidente da Associação Mutualista Montepio, Tomás Correia, garante que a dona do banco Montepio Geral “vai ter resultados positivos este ano”. Numa entrevista, entre outras afirmações, Tomás Correia não vê impedimentos em se recandidatar à presidência da associação e avança que o banco está aberto a uma parceria na área dos seguros.

Leia a notícia completa no Jornal Económico (link indisponível).

Costa Pinto assina manifesto contra Tomás Correia

O ex-vice-governador do Banco de Portugal (BdP), João Costa Pinto, e o antigo secretário-geral da UGT, João Proença, são dois dos nomes que assinaram um manifesto contra o atual presidente da Associação Mutualista Montepio, Tomás Correia. O manifesto apoia candidaturas à presidência da associação que promovam um novo ciclo, ainda que não sejam revelados nomes — só é traçado o perfil, que não é o de Tomás Correia. Ainda assim, Costa Pinto sublinhou que o documento “não é de oposição a ninguém”.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Nova PGR estava escolhida há uma semana

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, nomeou Lucília Gago para liderar a Procuradoria-Geral da República (PGR) no próximo mandato. A confirmação de uma notícia do Público, divulgada já durante a noite desta quinta-feira, chegou através de um comunicado da Presidência, que mostra que Belém e São Bento decidiram, por fim, não reconduzir Joana Marques Vidal, que irá manter-se à frente da PGR até 12 de outubro. O novo nome estava escolhido há uma semana, por mútuo acordo, mas foi mantido o sigilo até ao fim.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: IVA, dividendos e Tomás Correia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião