Guerra comercial não assusta Europa. Desempenho do Stoxx 50 não se registava desde 1997

O índice europeu que reúne as 50 maiores cotadas da região está a subir pela décima sessão consecutiva, algo que não acontecia desde 1997. Alívio das tensões comerciais também beneficia Lisboa.

As bolsas europeias estão a beneficiar do alívio das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, um sentimento positivo que também se está a alastrar a Lisboa. A bolsa nacional avança suportada em ganhos expressivos no setor da energia, mas também com o apoio do BCP.

O índice Stoxx 50, que reúne as 50 maiores cotadas europeias, regista a décima sessão consecutiva de ganhos, um desempenho que não é registado desde 1997, sublinha a Reuters. Soma 0,61%, para 3.423,87 pontos. Em simultâneo, o índice europeu de referência Stoxx 600 abriu a subir 0,20%, enquanto o português PSI-20 soma 0,46%, para 5.383,43 pontos.

O principal destaque vai para a EDP Renováveis, que está a valorizar 1,46%, para 8,70 euros por ação. À semelhança da subsidiária de energias renováveis, a EDP também está a dar energia à praça portuguesa. A companhia presidida por António Mexia soma 0,53%, para 3,24 euros cada título.

A Galp Energia é outra das empresas a animar o índice nacional. Numa sessão em que o preço do petróleo em Londres está estável em cerca de 70,37 dólares o barril, a petrolífera avança 0,28%, para 16,395 euros. Também o BCP está a contribuir para os ganhos desta sexta-feira, com o banco liderado por Miguel Maya a avançar 0,67%, para 25,54 cêntimos.

As bolsas mundiais estão a beneficiar do aliviar dos receios em torno da guerra comercial. Depois de Donald Trump, Presidente dos EUA, ter implementado mais um pacote de tarifas sobre importações chinesas, o clima agora é de tentativa de acordo entre as duas maiores economias do mundo, que deverão voltar à mesa das negociações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra comercial não assusta Europa. Desempenho do Stoxx 50 não se registava desde 1997

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião