Discórdia tomou conta do orçamento italiano. Mercados sofrem

O Governo italiano tem até à meia-noite desta quinta-feira para apresentar o orçamento para o próximo ano, mas a discórdia parece estar instalada. Impasse está a fazer tremer os mercados.

O primeiro orçamento do novo Governo de coligação italiano promete ficar marcado pela turbulência política. A menos de 24 horas do fim do prazo para a apresentação no Parlamento das metas macroeconómicas para próximo ano, as negociações estão a atravessar uma fase complicada. Tudo porque os dois vice-primeiros-ministros italianos — Luigi Di Maio e Matteo Salvini — exigem maiores gastos orçamentais, avança a Bloomberg.

Na quarta-feira, Di Maio já tinha ameaçado bloquear estas negociações, se as suas propostas (nomeadamente a implementação do Rendimento Básico Incondicional, o alívio da carga fiscal e o reforço das pensões) não fossem tidas em conta.

O líder do Movimento 5 Estrelas (uma das duas forças políticas da coligação governamental) pretende ainda que, em 2019, o défice italiano fique nos 2,4%, valor que agrada Salvini (líder da Liga), mas choca com os planos do ministro das Finanças. É que Giovanni Tria planeia deixar o défice, pelo menos, nos 2%.

“Se Tria não fizer parte do projeto, encontraremos outro ministro das Finanças”, já deixou claro a Liga. De facto, chegaram a circular rumores de que Giovanni Tria se tinha ameaçado demitir perante as exigências referidas, mas fontes próximas do Governo desmentiram a história. O certo é que, ameaças ou não, o responsável pela pasta das Finanças italianas é tido como “dispensável” por alguns dos membros do Executivo.

Neste quadro de discórdia, o jornal Corriere della Sera adiantou mesmo que a reunião desta quinta-feira — na qual serão fechadas as principais metas orçamentais — estava em risco de ser adiada. “Precisamos de um pouco mais de flexibilidade de modo a manter os compromissos que firmamos com os nossos eleitores”, garantiu fonte próxima de Salvini, citada por esse jornal.

Perante o cenário de instabilidade, os mercados europeus tremem. Os juros da dívida italiana estão a agravar-se, com a taxa a dez anos a subir nove pontos base para 2,943% — os títulos a dois anos estão, por sua vez, a disparar 20 pontos –, apesar de Di Maio ter vindo tentar acalmar os mais receosos, confirmando em Bruxelas que as suas exigências serão satisfeitas e que, portanto, será entregue um orçamento “corajoso” que deverá estimular o crescimento.

Com a subida dos juros, o setor financeiro ressente-se. O índice que agrega os maiores bancos italianos regista uma queda de 3,7%, colocando pressão em todo setor na Europa. Assim, o índice de referência italiano recua 1,30% para 21.365 pontos. Nas restantes praças, a tendência é idêntica, ainda que com quedas menos acentuadas. O Stoxx 600 cai 0,43%, também perante a subida de juros da Fed. Em Lisboa, o PSI-20 está a perder 0,16%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Discórdia tomou conta do orçamento italiano. Mercados sofrem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião