Professores vão continuar as greves durante o ano letivo até que as suas exigências sejam cumpridas

A Fenprof acusa o primeiro-ministro de estar a "liderar um Governo que está fora da lei".

Os professores continuam em greve. Esta terça-feira, pelo segundo dia consecutivo, as manifestações agendadas contra o Governo afetam as escolas de quatro distritos do sul do país: Portalegre, Évora, Beja e Faro.

Em declarações à RTP3, Mário Nogueira, líder da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), afirmou que este ano letivo “vai ser difícil, porque os professores têm direito a que o seu tempo de trabalho seja todo contabilizado”. “Se esta matéria não estiver devidamente resolvida, vamos continuar a luta e as greves”, acrescentou.

Questionado sobre a possibilidade de comprometer o ano letivo e afetar diretamente os alunos, o líder da federação sindical respondeu que os principais afetados são os professores e que a Fenprof tem noção de que a greve “é uma forma de luta extrema”. “Mas, se nem assim o Governo entende, se passarmos para abaixo-assinados, o Governo não vai querer saber nem ligar ao que estamos a fazer”, explicou.

As críticas de Mário Nogueira foram na direção do primeiro-ministro, acusando-o de “liderar um Governo que está fora da lei”. “A lei é clara. O tempo deve ser todo considerado, deve haver negociação do modo e do prazo para a recuperação”, disse.

António Costa mostrou, na passada segunda-feira, “a intransigência e inflexibilidade absoluta de um Governo que, no dia 28 de fevereiro deste ano, teve uma posição ilegal e que, em outubro do mesmo ano, mantém a mesma posição, apesar de ser ilegal”, afirmou Nogueira.

Para já, a greve de professores continua, seguindo-se o centro e norte do país. Na próxima sexta-feira, é a capital que vai receber a manifestação, que irá até ao Ministério das Finanças.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Professores vão continuar as greves durante o ano letivo até que as suas exigências sejam cumpridas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião