Governo não cede e aprova recuperação de dois anos, nove meses e 18 dias das carreiras dos professores

  • Marta Santos Silva
  • 4 Outubro 2018

O Governo avançou esta quinta-feira para a aprovação do decreto-lei que recuperará mais de dois anos da carreira dos professores durante o período de congelamento, com efeitos já a partir de 2019.

O Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros o decreto-lei que operacionaliza a recuperação do tempo de serviço dos docentes, que refletirá dois anos, nove meses e 18 dias do período em causa, apesar da contestação dos professores que, esta semana, fazem greve contra o que consideram ser uma proposta injusta.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, explicou aos jornalistas que a contabilização deste período foi calculada com base na forma como se processou a progressão, após o descongelamento, para os trabalhadores das carreiras gerais da Função Pública, procurando criar equitatividade entre estas carreiras e ainda tendo em conta a sustentabilidade orçamental.

Os efeitos da contabilização deste tempo de serviço para a progressão na carreira poderão ser sentidos já no princípio de 2019 pelos docentes que, juntando ao seu tempo de serviço atual estes dois anos, nove meses e 18 dias, já tenham possibilidade de avançar de escalão.

O decreto-lei aprovado neste Conselho de Ministros, acrescentou Tiago Brandão Rodrigues, é “resultado do processo negocial” com os sindicatos de professores, que “foram inflexíveis e não se aproximaram a esta proposta do Governo”. Para os sindicatos dos professores, não seria negociável a quantidade de tempo a recuperar. Considerando não só o congelamento de carreiras entre 2011 e 2017 mas também os dois anos que o antecederam, os professores reivindicam a recuperação de nove anos, quatro meses e dois dias de trabalho realizado durante o período de congelamento.

Para o Governo, as progressões dos professores que resultariam da contabilização do tempo total da carreira seriam financeiramente insustentáveis. Assim, foi feita a proposta de uma recuperação que, em vez de ter em conta a quantidade de anos de serviço prestado, se assemelharia à progressão feita nas carreiras gerais, onde a avaliação depende da acumulação anual de pontos.

Como a progressão é mais lenta nas carreiras gerais, o tempo de serviço cumprido durante o congelamento só equivale à progressão de cerca de 70% de um escalão, pelo que o Governo aplicou esse rácio ao tempo de serviço dos professores para lhes permitir progredir 70% de um escalão. No entanto, para os professores, a progressão de escalão ocorre habitualmente de quatro em quatro anos, pelo que os sindicatos consideram que as regras da carreira específica em causa não estão a ser cumpridas.

“A solução agora apresentada pelo Governo apresenta um paralelismo em relação ao que aconteceu com as carreiras gerais na Função Pública”, disse o ministro na conferência de imprensa desta quinta-feira, “e vai permitir que docentes possam acelerar as suas progressões já a partir de 1 de janeiro de 2019”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo não cede e aprova recuperação de dois anos, nove meses e 18 dias das carreiras dos professores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião