“Apple das palavras-passe” expande na Europa e abre escritório em Lisboa. Quer contratar 40 pessoas

Empresa nova-iorquina escolhe Lisboa para abrir terceiro escritório, depois de Nova Iorque e Paris. "Tínhamos de o fazer numa cidade que entende e valoriza espírito da inovação", diz CEO.

A Dashlane, empresa nova-iorquina que faz gestão de identidades, vai expandir operação e abrir um novo escritório em Lisboa. Descrita pelo The Washington Post como “a Apple do jogo das palavras-passe“, a empresa conta com mais de 150 trabalhadores nos escritórios de Nova Iorque e Paris. Em Lisboa, prepara-se para contratar 40 pessoas nos próximos 18 meses para integrarem as equipas de produto, engenharia e atendimento ao cliente.

“Quando tomámos a decisão de abrir um novo escritório, sabíamos que tínhamos de o fazer numa cidade que entende e valoriza o espírito da inovação”, afirma Emmanuel Schalit, CEO da Dashlane. “Ao pesquisarmos oportunidades por todo o mundo, Lisboa tornou-se rapidamente a escolha óbvia para o novo lar da Dashlane. A cidade é apaixonada por criar empresas inovadoras e tem a força de trabalho qualificada e motivada para concretizar. Estamos ansiosos para aumentar a nossa presença local nos próximos anos”, diz a responsável, citada em comunicado.

Quando tomámos a decisão de abrir um novo escritório, sabíamos que tínhamos de o fazer numa cidade que entende e valoriza o espírito da inovação.

Emmanuel Schalit

CEO da Dashlane

Disponível em português desde janeiro de 2016, a aplicação da Dashlane é usada por cerca de 200 mil lusófonos em todo o mundo. Além disso, quatro dos cinco meses com mais inscrições de contas da empresa em Portugal ocorreram em 2018. Criada para simplificar e proteger a identidade digital dos utilizadores, a Dashlane preenche e armazena automaticamente palavras-passe, dados pessoais e detalhes de pagamento. A app está disponível em 11 idiomas e conta com mais de 10 milhões de utilizadores em 180 países de todo o mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Apple das palavras-passe” expande na Europa e abre escritório em Lisboa. Quer contratar 40 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião