Roma faz soar alarmes. Itália paga 80% mais do que Portugal nos mercados

Economista-chefe da Moody's deixou Roma em alerta após sugerir redução do rating italiano. Ministro da Economia já garantiu que vai colaborar com Bruxelas, travando desconfiança dos investidores.

Itália volta a fazer soar os alarmes nos mercados esta quarta-feira, sobretudo depois de um analista da Moody’s Analytics ter dito a um jornal italiano que os planos do Governo para o orçamento do Estado são um “erro”, direcionando a atenção dos investidores para a sensível questão do rating da dívida do país.

A yield associada às obrigações italianas a 10 anos sobe 11 pontos para 3,528%, mas o agravamento dos juros atinge os mercados de dívida de toda a região da Zona Euro. Em Portugal, os juros na mesma maturidade avançam 1,982% e foi neste clima de instabilidade que o IGCP viu os custos da dívida agravarem-se no leilão desta manhã.

A situação em Itália é mais delicada, ainda assim. A diferença entre juros italianos e portugueses (hoje nos 150 pontos base) faz com que o Governo de Itália tenha de pagar atualmente 77% mais do que Portugal para se financiar nos mercados de dívida, um cenário que era altamente improvável até há pouco tempo. Foi em dezembro do ano passado que as taxas da dívida italiana superaram as taxas portugueses e, desde então, o diferencial entre os dois países foi agravando em favor de Portugal. O sinal dos mercados é de fácil interpretação: os investidores confiam mais em Portugal do que em Itália.

Investidores confiam mais em Portugal do que em Itália

Fonte: Reuters

O mesmo disse Mark Zendi, economista-chefe da Moody’s Analytics (da agência de rating Moody’s), esta quarta-feira ao jornal La Stampa (acesso pago/conteúdo em italiano): “É lógico que as preocupações com a Itália que foram expressas pelos mercados também se reflitam na próxima avaliação das agências de rating“. E explicou os receios: “A avaliação dos mercados, como das agências de rating, não se baseia na política, mas nos números, que são objetivos e iguais para todos”, acrescentou.

“Os investidores estão muito sensíveis relativamente às perspetivas do rating“, referiu Rene Albrecht, estratega da DZ Bank, citado pela agência Reuters. “Qualquer notícia sobre ações de rating mexem com as obrigações italianas. Roma não está em rota de colisão apenas com Bruxelas, mas também com as agências de rating“, disse ainda.

Tanto a Moody’s como a Standard & Poor’s avaliam a dívida italiana com uma notação de risco dois níveis acima de “lixo”, e vão voltar a rever o rating do país na segunda metade deste mês. Os analistas dizem que os mercados já incorporaram a descida em um nível.

Para travar a desconfiança dos mercados (e analistas), o ministro da Economia falou esta manhã a partir do Parlamento para dizer que Roma vai adotar uma atitude de colaboração com Bruxelas no que toca às ambições orçamentais do Governo italiano para os próximos anos. As palavras de Giovanni Tria ajudaram a contar o risco, pelo menos num primeiro momento.

Para já, o spread da dívida italiana (um indicador do risco calculado através da diferença dos juros italianos com os juros alemães) mantém-se acima dos 300 pontos base, depois de ter atingido o valor mais elevado em cinco anos esta terça-feira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Roma faz soar alarmes. Itália paga 80% mais do que Portugal nos mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião