Suíços da Axpo reforçam em Portugal. Compram Goldenergy ao grupo Dourogás

A empresa pública suíça Axpo comprou a posição de 75% que ainda não detinha na Goldenergy ao grupo Dourogás, garantindo o controlo total da terceira maior empresa de energia do país.

Depois de entrar no capital da Goldenergy em 2016, a empresa pública suíça Axpo acabou por ficar com a totalidade da empresa de energia portuguesa ao grupo Dourogás. A Axpo já controlava 25% da Goldenergy, mas assinou a 25 de setembro um acordo para a compra dos 75% que ainda não detinha, segundo a agência Europa Press. A informação já foi confirmada por ambas as empresas, que não revelam o montante envolvido na operação.

“A Axpo, que detinha 25% da Goldenergy desde 2016, é agora o acionista único da Goldenergy. O acordo de compra e venda contempla manutenção da totalidade dos postos de trabalho e a manutenção da sede em Portugal”, assumem as duas companhias, num comunicado conjunto enviado ao ECO. “A Goldenergy irá continuar a abordar o mercado de forma inovadora e dinâmica, focando a sua oferta e serviço na qualidade a preço baixo, nos segmentos doméstico, comercial e industrial”, frisa a companhia.

A compra de 100% da Goldenergy pela Axpo, encontra-se a aguardar aprovação da Autoridade da Concorrência (AdC). A intenção da companhia pública suíça é o reforço da sua presença no mercado português de energia e enquadra-se numa estratégia de diversificação do portefólio, garantindo, desta forma, o controlo da terceira maior empresa comercializadora de energia no mercado nacional.

Em contrapartida, segundo a agência, a Dourogás encontra-se a reorientar a sua estratégia e operações no mercado energético em Portugal. A empresa encontra-se a “consolidar operações de investimento” que já estão em curso, nomeadamente em redes de distribuição de energia em 18 municípios do país, nos distritos de Vila Real e Bragança. O projeto, segundo a Europa Press, tem financiamento direto do Banco Europeu de Investimento.

(Notícia atualizada às 15h12 com comunicado conjunto das duas empresas)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Suíços da Axpo reforçam em Portugal. Compram Goldenergy ao grupo Dourogás

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião