CGD entrega dividendos ao Estado. Com BdP somam 741 milhões

Desde 2010 que o banco público não distribuía dividendos ao acionista. Banco de Portugal e CGD levam dividendos a subir 326 milhões face a 2018.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai entregar ao Estado dividendos em 2019, o que acontece pela primeira vez desde 2010. Juntamente com os dividendos do Banco de Portugal, o Estado encaixa 741 milhões de euros no próximo ano.

O relatório que acompanha o Orçamento do Estado para 2019, entregue esta segunda-feira no Parlamento, não detalha qual o valor dos dividendos entregues pelo banco público. Diz apenas que os dividendos totais são mais 326 milhões de euros aos cofres do Estado. Este ano, os dividendos do banco central deram aos cofres públicos 415 milhões (líquidos de IRC).

“A perspetiva de dividendos por parte da Caixa Geral de Depósitos, e de um aumento dos dividendos pagos pelo Banco de Portugal, contribui para um crescimento de 9,5% da outra receita corrente”, diz o relatório.

Depois dos 52 milhões em 2017, na primeira metade do ano a CGD conseguiu apresentar 194 milhões de euros de resultados positivos.

A 24 de setembro, à margem da 31.ª edição dos Investor Relations & Governance Awards, da Deloitte, Paulo Macedo disse ao ECO que “a Caixa irá cumprir o plano estratégico” em termos de resultados. “Irá apresentar resultados positivos significativos como previa o plano”, afirmou o presidente do banco.

Com estes resultados, abre-se a porta dos dividendos. “Os dividendos não estão previstos no plano estratégico, mas claramente a Caixa tem como intuito pagar a ajuda que recebeu do Estado e devolver o dinheiro aos contribuintes”, disse Macedo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD entrega dividendos ao Estado. Com BdP somam 741 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião