BE: Limite às reformas não tem apoio da maioria

  • Lusa
  • 18 Outubro 2018

O BE avisou o Governo de que a intenção de limitar o acesso à reforma antecipada não reúne o apoio da maioria, pelo que não tem condições para avançar.

O Bloco de Esquerda (BE) afirmou esta quinta-feira que a intenção do Governo de limitar o acesso às reformas antecipadas no próximo ano “não conta com o apoio” dos partidos da maioria parlamentar, não tendo assim condições para avançar. “Pelas declarações de hoje dos três partidos que negoceiam o Orçamento do Estado, parece-me que fica claro que o Governo não tem o apoio nem do Bloco, nem do PCP, nem do PS” para avançar com a medida, disse à agência Lusa o deputado bloquista José Soeiro.

Em causa estão as declarações do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, sobre a intenção de limitar o acesso às reformas antecipadas a quem aos 60 anos tenha pelo menos 40 de contribuições.

A medida estava já prevista em documentos do Governo apresentados na Concertação Social em abril de 2017, mas José Soeiro sublinhou que se trata apenas de “uma opinião, de uma intenção do ministro” que não foi acordada durante as negociações para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) e que não integra a proposta orçamental.

Na proposta de OE2019 o que está previsto é o fim do corte do fator de sustentabilidade para certos grupos de pensionistas, ou seja, para quem tem pelo menos 40 anos de carreira aos 60 de idade, destaca o deputado. “Isso não significa que essa seja a condição para o acesso à reforma. Até compreendo que essa seja a intenção do ministro do Trabalho, mas não é o que está no Orçamento do Estado que foi negociado com os partidos da maioria”, acrescenta José Soeiro.

O deputado lembra que nas fases anteriores da revisão das reformas antecipadas para as muito longas carreiras contributivas, já em vigor desde outubro de 2017, “o regime atual não caiu”, continuando a aplicar-se em paralelo com o novo que veio pôr um fim aos cortes para estas pensões. “Entre os dois regimes que vigoram, aplica-se o que for mais favorável”, adiantou José Soeiro. Por isso, “ou o Governo percebe que não tem o apoio para concretizar essa vontade ou então os partidos podem explicitar na especialidade que o novo regime não significa a supressão do regime atualmente em vigor”, adiantou o deputado.

Além do BE, também o PCP e o PS reagiram esta quinta-feira às declarações do ministro do Trabalho feitas na quarta-feira. O líder parlamentar do PS, Carlos César, manifestou-se disponível para clarificar a medida, acentuando que a norma em causa “não deve fazer regredir nenhum outro direito que antes já estava adquirido”.

O PCP, através da deputada Diana Ferreira, disse que “as declarações proferidas ontem [quarta-feira] pelo ministro vinculam o ministro e o Governo” e não o partido.

Já o primeiro-ministro, António Costa, não quis comentar, sustentando que o novo regime das reformas antecipadas já foi “bem explicado” pelo ministro do Trabalho. “Esse regime [da reforma antecipada] vai ser alterado, ainda que possam existir processos de transição, no sentido de que o acesso será apenas para quem esteja sujeito às regras que eu disse, 60 anos [de idade] e 40 anos [de descontos]”, afirmou Vieira da Silva aos jornalistas em conferência de imprensa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE: Limite às reformas não tem apoio da maioria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião