Resultados tramam Wall Street. Fed não ajuda

As praças norte-americanas registaram fortes quedas, perante os resultados aquém do esperado por parte das empresas. A perspetiva de subida de juros da Fed acentuou a tendência negativa.

A Fed não cede. Quer continuar a aumentar os juros, mesmo perante as críticas do presidente norte-americano. Um cenário que está a pesar no sentimento dos investidores numa altura em que vão sendo conhecidos resultados empresariais desanimadores. São tudo más notícias que levam os índices dos EUA a registar quedas de mais de 1%.

Em Wall Street, na primeira sessão depois de a Reserva Federal dos EUA ter reforçado a ideia de uma nova subida das taxas de juro da maior economia do mundo em dezembro, bem como o prolongar de novos aumentos no próximo ano, o S&P 500, o índice de referência norte-americano, cedeu 1,44%. Dow Jones e Nasdaq não fizeram melhor, recuando 1,27% e 2,06%.

“Se as taxas de juro continuarem a subir dos níveis atuais, os investidores vão ficar ainda mais relutantes em comprar”, escreveu Hussein Sayed, responsável pela estratégia de mercados da FXTM, numa nota de research citada pela Reuters. Mas além da Fed, a pesar na negociação têm estado também os resultados.

De acordo com a Reuters, os lucros das empresas do S&P 500 deverão crescer 22% no terceiro trimestre, um abrandamento face ao ritmo registado nos dois trimestres anteriores. Até agora, das 69 empresas que apresentaram contas, 78,3% superou as estimativas, mas tendo em conta o contexto, os investidores estão a centrar atenções nos números que ficam aquém do previsto.

Empresas como a Textron e a United Rentals afundaram 10% depois de apresentarem lucros abaixo do esperado, enquanto a Sealed Air deslizou mais de 9% após fazer um profit warning. Com o aumento dos custos, a empresa anunciou uma revisão em baixa das estimativas de resultados para todo o ano.

Lockheed Martin e Raytheon também foram penalizadas em bolsa. Nestes casos, não foram os resultados, mas antes os receios dos investidores quanto ao impacto no negócio de ambas as empresas em relação a um potencial travão a novos negócios de armamento entre os EUA e a Arábia Saudita numa altura em que se investiga o desaparecimento do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Resultados tramam Wall Street. Fed não ajuda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião