PSD vai votar contra o Orçamento do Estado para 2019. É uma “orgia orçamental”, critica Rui Rio

Rui Rio, presidente do PSD, garantiu este sábado que o partido vai tentar chumbar o Orçamento do Estado para 2019, apresentado pelo Governo socialista.

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou este sábado, a partir do Porto, que vai propor ao partido que vote contra a proposta de Orçamento do Estado para 2019, apresentado pelo Governo socialista. A proposta vai ser debatida e votada na Assembleia da República (AR), numa sessão plenária que está agendada para o próximo dia 30 de outubro.

Na visão do líder do PSD, o Governo tem vindo a “olhar para o presente”, sem “olhar para o futuro”. “A proposta de Orçamento do Estado para 2019 vai exatamente na mesma linha, só que um bocadinho pior. É um Orçamento do Estado que não olha para o futuro”, afirmou Rui Rio.

Rui Rio criticou aquilo que considerou serem “medidas avulsas, dispersas, simpáticas, para contentar as pessoas”, naquilo que classificou de “orgia orçamental que o Governo pretende fazer em ano de eleições”. Na visão de Rui Rio, estas medidas não têm sustentabilidade e é por isso que “não concorda” com elas, apesar de simpatizar com elas, porque “toda a gente gosta disto”.

Lembrando a história da “cigarra e da formiga”, o líder social-democrata disse ainda que este é “um Governo da cigarra: canta e dança no verão e depois, no inverno, quem vier atrás que feche a porta”.

“Vamos continuar a ter um crescimento fraco, com 21 países a crescerem mais do que Portugal na União Europeia [de acordo com as estimativas para 2019]”, apontou o presidente do PSD, destacando que, ainda assim, a carga fiscal vai chegar a “máximos históricos”. É ainda, na visão de Rui Rio, um Orçamento do Estado que “não tem qualquer problema em penalizar as empresas, apesar de sabermos que as empresas são absolutamente vitais para o crescimento económico”.

É por isso que Rui Rio vai propor à comissão política nacional do PSD que o partido vote contra o Orçamento do Estado apresentado por Mário Centeno, porque o mesmo “não pode merecer concordância do PSD”.

(Notícia atualizada às 17h35 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD vai votar contra o Orçamento do Estado para 2019. É uma “orgia orçamental”, critica Rui Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião