Chumbo de Bruxelas ao orçamento de Itália afunda bolsas. Lisboa toca mínimos de 2017

Num dia que já era marcado por tensões na Ásia, pelo clima de tensão com a Arábia Saudita, o chumbo do orçamento italiano por Bruxelas foi a gota de água. Ditou fortes quedas nas bolsas da Europa.

Depois das fortes quedas nos mercados asiáticos, as bolsas europeias afundaram. Depois de Bruxelas chumbar a proposta de orçamento apresentada pelo Governo italiano, a tendência negativa acentuou-se, com os principais índices a registarem quedas de mais de 1%. Lisboa não escapou, recuando para mínimos de ano e meio.

A rejeição de Bruxelas foi anunciado por Valdis Dombrovskis, depois de o Governo italiano se ter recusado a alterar os planos orçamentais tal como a Comissão tinha pedido. Agora, Itália tem um prazo máximo de três semanas para fornecer um novo plano de Orçamento para 2019.

Perante este chumbo inédito, o índice de referência italiano registou uma descida de 0,7%, desvalorização menos expressiva do que a apresentada por outras praças do Velho Continente, apesar da subida dos juros da dívida a dez anos para os 3,55%. O saldo menos negativo explica-se pelo facto de muitos investidores já terem antecipado a decisão de Bruxelas.

O Stoxx 600, o índice que agrega as principais cotadas da Europa, encerrou a perder 1,49% para 354.39 pontos, sendo que tanto Paris como Frankfurt, mas também Lisboa, acabaram por apresentar descidas ainda mais acentuadas. Enquanto o CAC 40 cedeu 1,53%, já o DAX perdeu mais de 2%. Lisboa fechou a sessão a cair 1,72%. O PSI-20 recuou pela terceira sessão consecutiva.

A maioria das cotadas do índice de referência português terminou a sessão em terreno vermelho, com destaque para a Galp Energia, que derrapou 3,86%, num dia de quedas acentuadas nos preços do petróleo. Mota-Engil e Altri registaram quedas superiores a 4%, já a F. Ramada liderou as descidas ao afundar 8,02% para os 8,60 euros.

Das dezoito cotadas do PSI-20, apenas duas terminaram em terreno verde, a retalhista Jerónimo Martins, que subiu 1,33% para os 11,465 euros, e a Sonae Capital. A dona do Pingo Doce, apesar da valorização de mais de 1%, acabou por não impedir uma descida acentuada do PSI-20.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chumbo de Bruxelas ao orçamento de Itália afunda bolsas. Lisboa toca mínimos de 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião