Itália responde à Comissão Europeia: “Orçamento foi feito para os italianos, não para Bruxelas”

Itália diz que não recebeu o chumbo com surpresa. Vai responder a Bruxelas no prazo de três semanas, mas reitera que a única forma de reduzir o endividamento é impulsionar o crescimento.

Depois de a Comissão Europeia ter chumbado a proposta do Orçamento italiano, Itália recebeu esse chumbo sem surpresa. “O Orçamento foi feito para os italianos, não para Bruxelas”, disse o vice primeiro-ministro, Luigi Di Maio, acrescentando que vai responder a Bruxelas no prazo estabelecido de três semanas. No entanto, reitera que a única forma de reduzir o endividamento é impulsionando o crescimento, avança a Reuters.

“É o primeiro Orçamento italiano que não agrada à UE. Não me admiro: é o primeiro Orçamento italiano escrito em Roma e não em Bruxelas!“, escreveu Di Maio na sua conta do Twitter.

Mas, o vice primeiro-ministro continuou, no Facebook: “Com os danos que tinham sido causados pelos anteriores, não podíamos, certamente, continuar com as suas políticas. Continuaremos a informar a Comissão Europeia daquilo que queremos fazer com respeito. Mas tem de haver igualmente respeito para com o povo italiano e para com o Governo que o representa“.

Numa publicação anterior, Di Maio afirmou ainda: “Não vamos desistir. Sabemos que estamos a percorrer o caminho certo. E, por isso, não vamos parar”.

Conte garante que não há um “Plano B”

Também Giuseppe Conte adiantou que o Governo não vai aceitar mudanças substanciais no documento, afirmando que não há um “Plano B”. Em entrevista à Bloomberg, o primeiro-ministro italiano sublinhou: “Eu disse que o défice de 2,4% era o máximo. Posso dizer que este será o nosso limite”.

Conte afirmou estar confiante de que o Orçamento do país vai impulsionar o crescimento económico, ao mesmo tempo que vai ajudar Itália a manter as suas contas em ordem a longo prazo. O Orçamento é globalmente “muito prudente”, disse, acrescentando que “há um plano de investimento robusto” que pode impulsionar a economia.

“Estamos prontos para reduzir, talvez, para fazer uma revisão dos gastos, se for necessário”, continuou. Mas, insistiu: o crescimento económico é “o melhor caminho para nos tirar da armadilha da dívida“.

Esta terça-feira, os italianos viram a Comissão Europeia rejeitar, pela pela primeira vez na história dos orçamentos, o Orçamento italiano. “Hoje, pela primeira vez, a Comissão foi obrigada a pedir a um país da zona euro para rever a sua proposta de Orçamento“, disse o vice-presidente da Comissão Europeia, em conferência de imprensa. “Não tivemos outra alternativa senão pedir ao Governo italiano para o fazer. Vamos dar a Itália um máximo de três semanas para fornecer um novo plano de Orçamento para 2019”, acrescentou Valdis Dombrovskis.

(Notícia atualizada às 16h41 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália responde à Comissão Europeia: “Orçamento foi feito para os italianos, não para Bruxelas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião