“A partir de hoje a Morais Leitão passa a Morais Leitão”

A Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados passa a adotar o símbolo ML e formalizando, assim, o que há muitos anos é informal: a Morais Leitão passa, assim, a ser a Morais Leitão.

Passaram 25 anos sobre a fusão dos escritórios liderados por João Morais Leitão e José Manuel Galvão Teles. Onze anos depois deste movimento histórico, juntava-se o escritório de Miguel Galvão Teles e João Soares da Silva, recentemente falecido. Em 2006, foi a vez de se concretizar a integração do escritório de Osório de Castro, Verde Pinho, Vieira Peres e Lobo Xavier. Passados 25 anos, “o símbolo que escolhemos formaliza assim o que há uns anos é informal”, segundo Nuno Galvão Teles que, ontem, simultaneamente enquanto inaugurava o escritório em Hong Kong, apresentava a nova marca. A Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados passa assim, apenas e só, a Morais Leitão (ML). A apresentação da marca decorreu, numa cerimónia informal, no escritório em Lisboa, na Rua Castilho.

“Uma merecida homenagem a um dos nossos fundadores. Nomes à parte: a raiz sempre foi e será a mesma. O gosto pela advocacia, uma referência de qualidade o brio, a concentração de talento e a ambição de ser líder em todas as áreas do direito. Tenho assim o prazer de anunciar em direto a nossa mais recente geografia e de uma das principais praças financeiras do mundo que a partir de hoje a Morais Leitão passa a Morais Leitão“, diz o managing partner de um dos maiores escritórios de advogados portugueses.

“A nossa instituição é hoje maior e melhor do que a soma dos escritórios que lhe deu origem, tendo mantido, ao longo dos anos, uma tradição de compromisso, rigor, inovação e dedicação à ciência jurídica e aos nossos clientes. As gerações têm vindo a renovar-se, acrescentando sucesso e continuidade ao projeto inicial dos nossos fundadores”, segundo comunicado do escritório enviado às redações.

Refletindo esta renovação, a que era até agora MLGTS redesenhou e modernizou “os sinais da nossa identidade, adotando em Portugal e nas diversas geografias o símbolo ML e formalizando, assim, o que há muitos anos é informal”.

“Somos a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados mas informalmente sempre nos chamaram Morais Leitão. É uma merecida homenagem a um dos nossos mais brilhantes fundadores e um sinal inequívoco de que, nomes à parte, a raiz sempre foi e será a mesma: o gosto pela advocacia, uma referência que estimamos de qualidade, o brio, a concentração de talento e a ambição de ser líder em todas as áreas do direito. A partir de hoje a Morais Leitão passa a Morais Leitão”, termina o comunicado oficial do escritório.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“A partir de hoje a Morais Leitão passa a Morais Leitão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião