“A partir de hoje a Morais Leitão passa a Morais Leitão”

A Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados passa a adotar o símbolo ML e formalizando, assim, o que há muitos anos é informal: a Morais Leitão passa, assim, a ser a Morais Leitão.

Passaram 25 anos sobre a fusão dos escritórios liderados por João Morais Leitão e José Manuel Galvão Teles. Onze anos depois deste movimento histórico, juntava-se o escritório de Miguel Galvão Teles e João Soares da Silva, recentemente falecido. Em 2006, foi a vez de se concretizar a integração do escritório de Osório de Castro, Verde Pinho, Vieira Peres e Lobo Xavier. Passados 25 anos, “o símbolo que escolhemos formaliza assim o que há uns anos é informal”, segundo Nuno Galvão Teles que, ontem, simultaneamente enquanto inaugurava o escritório em Hong Kong, apresentava a nova marca. A Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados passa assim, apenas e só, a Morais Leitão (ML). A apresentação da marca decorreu, numa cerimónia informal, no escritório em Lisboa, na Rua Castilho.

“Uma merecida homenagem a um dos nossos fundadores. Nomes à parte: a raiz sempre foi e será a mesma. O gosto pela advocacia, uma referência de qualidade o brio, a concentração de talento e a ambição de ser líder em todas as áreas do direito. Tenho assim o prazer de anunciar em direto a nossa mais recente geografia e de uma das principais praças financeiras do mundo que a partir de hoje a Morais Leitão passa a Morais Leitão“, diz o managing partner de um dos maiores escritórios de advogados portugueses.

“A nossa instituição é hoje maior e melhor do que a soma dos escritórios que lhe deu origem, tendo mantido, ao longo dos anos, uma tradição de compromisso, rigor, inovação e dedicação à ciência jurídica e aos nossos clientes. As gerações têm vindo a renovar-se, acrescentando sucesso e continuidade ao projeto inicial dos nossos fundadores”, segundo comunicado do escritório enviado às redações.

Refletindo esta renovação, a que era até agora MLGTS redesenhou e modernizou “os sinais da nossa identidade, adotando em Portugal e nas diversas geografias o símbolo ML e formalizando, assim, o que há muitos anos é informal”.

“Somos a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados mas informalmente sempre nos chamaram Morais Leitão. É uma merecida homenagem a um dos nossos mais brilhantes fundadores e um sinal inequívoco de que, nomes à parte, a raiz sempre foi e será a mesma: o gosto pela advocacia, uma referência que estimamos de qualidade, o brio, a concentração de talento e a ambição de ser líder em todas as áreas do direito. A partir de hoje a Morais Leitão passa a Morais Leitão”, termina o comunicado oficial do escritório.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“A partir de hoje a Morais Leitão passa a Morais Leitão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião