Juiz João Carrola pode perder mais de 84 mil euros

  • ECO
  • 2 Novembro 2018

O juiz desembargador faz parte da lista de milhares de lesados do GES. João Carrola corre o risco de perder 84.656 euros que tinha depositados no Banque Privée Espírito Santo (BPES).

O juiz desembargador João Carrola requereu ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) escusa de intervenção no caso do Grupo Espírito Santo (GES), para evitar alguma desconfiança sobre a sua imparcialidade. Isto porque Carrola é um dos milhares de lesados do GES, avança esta sexta-feira o Correio da Manhã (acesso pago).

João Carrola corre o risco de perder mais de 84 mil euros, que tinha num depósito no Banque Privée Espírito Santo (BPES), entidade do GES que está, já desde 2015, em liquidação.

O Supremo Tribunal de Justiça deferiu o pedido de escusa, no dia 8 de junho deste ano. O CM teve, agora, acesso à situação de João Carrola, revelada no acórdão do STJ que deferiu o pedido de escusa. “O signatário, se bem que não tenha qualquer relação com o recorrente [arguido que apresentou o recurso] ou diretamente com alguns dos arguidos/suspeitos, integra a longa lista de lesados pelo referido grupo económico [GES], na medida em que foi cliente do BPES – Sucursal em Portugal, entidade bancária que se encontra em liquidação judicial”, pode ler-se no acórdão.

João Carrola informa, ainda, que na liquidação do BPES – Sucursal em Portugal, reclamou “créditos em virtude de depósito que mantinha naquela instituição de que, na sua perspetiva, tem direito a ser pago”. A lista de credores desse banco indica que o juiz reclamou o pagamento de um crédito de 84.656 euros, mas este não foi reconhecido.

O administrador de insolvência do BPES – Sucursal em Portugal não reconheceu créditos de clientes deste banco no valor total de 250 milhões de euros. Os créditos foram reclamados por empresas e por pessoas singulares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juiz João Carrola pode perder mais de 84 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião