Há 190 milhões de euros para PME inovadoras portuguesas

O Web Summit ainda agora começou e já há mais 190 milhões de euros para as PME inovadoras portuguesas. Isto com apoio do Fundo Europeu de Investimento.

O Fundo Europeu de Investimento (FEI) anunciou, esta terça-feira, que irá atribuir 190 milhões de euros às pequenas e médias empresas (PME) portuguesas. Este apoio — que foi anunciado no segundo dia do Web Summit — será distribuído através de dois novos fundos de capital próprio geridos pela Vallis Capital Partners e pela Mustard Seed Maze.

“Estas duas iniciativas darão às PME portuguesas o impulso de que necessitam para mostrarem os seus talentos e materializarem as suas ideias em projetos concretos”, sublinhou o comissário Europeu responsável pela Investigação, Ciência e Inovação. Carlos Moedas explicou ainda que serão os “projetos inovadores de elevado valor acrescentado” e as “empresas sociais” os alvos destes apoios.

De notar que este fundos beneficiam do apoio da União Europeia, no quadro do mecanismo InnovFin Capital Próprio, do programa COSME EFG e do Plano Juncker.

No que diz respeito ao fundo gerido pela Mustard Seed Maze (no valor de 40 milhões de euros), espera-se que “proporcione uma fonte de financiamento estável para os modelos empresariais de inovação social mais promissores em Portugal“.

Quanto ao fundo gerido pela Vallis Capital Partners (no valor de 150 milhões de euros), terá como objetivo “apoiar as dinâmicas de sustentabilidade, incluindo setores relacionados com o crescimento demográfico e a escassez de recursos”. O fundo está direcionado para o mercado inferior-médio.

“É com o maior prazer que o FEI assina dois novos acordos de participação no capital por ocasião do Web Summit, em Lisboa, para apoiar as empresas portuguesas. Esta cooperação contribui para a criação de emprego e para o crescimento em Portugal”, reforçou também o diretor executivo do FEI, Pier Luigi Gilibert.

(Notícia atualizada às 13h04).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 190 milhões de euros para PME inovadoras portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião