Turismo vai ter linha específica de garantia mútua

  • ECO
  • 7 Novembro 2018

Combater a sazonalidade passa por diversificar a oferta, apostando em produtos alternativos como o turismo de saúde ou de natureza. No financiamento, haverá uma linha específica de garantia mútua.

O sistema de garantia mútua vai criar uma linha específica de apoio ao financiamento bancário específica para o setor do turismo, revelou Luís Filipe Costa, presidente das sociedades Norgarante, Garval e Lisgarante, na sétima edição do Fórum Desafios e Oportunidades, uma iniciativa do Eurobic, da qual o ECO é um dos parceiros. Filipe Costa reconheceu o peso limitado da região do algarve no total de garantias concedidas pelo sistema, precisamente pela especificidade do setor.

A Garantia Mútua é um sistema mutualista de apoio às micro, pequenas e médias empresas, que se traduz fundamentalmente na prestação de garantias para facilitar a obtenção de crédito, mas também de outro tipo de garantias necessárias ao desenvolvimento empresarial nos vários setores de atividade. O turismo, pela sua natureza, acaba por ser dos setores menos ativos. Apenas cerca de 3% das garantias concedidas são do turismo.

Qual é, então, o principal problema do turismo no Algarve? A sazonalidade. E a falta de transporte aéreo nas épocas baixa e média é um dos grandes entraves para combater a falta de turistas durante o período fora do verão. “Se há política pública capaz de contribuir para gerir o problema da sazonalidade é a relacionada com o transporte aéreo”, disse Luís Correia da Silva, presidente executivo do Dom Pedro Golfe.

Segundo o gestor, durante o Inverno IATA (outubro a março) há uma “queda brutal” do número de voos para o Algarve, facto agravado — e ainda não superado — pelas falências em anos anteriores das companhias aéreas de baixo custo Monarch e Air Berlin.

Para Luís Correia da Silva, a TAP — acusada ao longo dos anos por vários empresários algarvios de não atuar como uma verdadeira companhia de bandeira e por isso pouco contribuir para o desenvolvimento do turismo na região — poderia criar “pontes aéreas” entre Lisboa e Porto e o Algarve, suprimindo, dessa forma, a falta de voos diretos para o Aeroporto Internacional de Faro durante a época baixa.

A RTA – Região de Turismo do Algarve também elege o combate à sazonalidade como o principal desafio do setor na região. Nesse sentido, Fátima Catarina, vice-presidente daquele organismo, anunciou a criação de um projeto, ainda em fase embrionária, cujo objetivo é “potenciar investimentos de grande dimensão” nas chamadas “manchas negras”, ou zonas abandonadas, do interior do Algarve.

Como é unanimemente reconhecido, combater a sazonalidade passa por diversificar a oferta, apostando em produtos alternativos ao sol e mar, como o turismo de saúde ou de natureza, além do golfe. “Ainda há muitas oportunidades”, garantiu o CEO do Dom Pedro Golfe.

O Hospital Particular do Algarve, por exemplo, deverá abrir um hotel de saúde na região em maio do próximo ano, anunciou o presidente do conselho de administração do grupo, João Bacalhau.

Segundo o gestor, o mercado-alvo “não é a Europa”, mas sim o do “Médio Oriente, Rússia, Noruega e Suécia”. O objetivo é trazer para o Algarve turistas-doentes, aproveitando o clima e a gastronomia, associando-lhes “inovação em saúde”, tendo em vista não só eventuais intervenções cirúrgicas, mas sobretudo o “retardar do envelhecimento”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo vai ter linha específica de garantia mútua

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião