Santander aumenta até 156% as comissões dos cartões de débito

  • ECO
  • 7 Novembro 2018

As comissões dos cartões de débito vão subir, em média, 34%. Além disso, alguns clientes de contas à ordem, ordenado e acionistas vão deixar de ficar isentos das comissões de manutenção.

O Santander vai passar a cobrar mais aos seus clientes pelas comissões de certos cartões de débito a partir do próximo ano, aumentos que vão ser, em média, de cerca de 34%. Para além disso, avança o Jornal de Negócios (acesso pago), certos clientes deixarão de ficar isentos das comissões de manutenção das contas à ordem.

A partir de 7 de janeiro, os clientes vão passar a pagar mais de comissões de disponibilização de dez cartões de débito, conhecidas antes como anuidades. Em média, as subidas vão ascender a 33,6% mas podem chegar aos 156%, como é o caso do cartão Conta Fácil, cuja comissão vai passar de 7,28 para 18,64 euros. A maioria terá um custo anual de 18,64 euros (incluindo o imposto de selo).

Apesar das alterações em causa as nossas comissões são competitivas e têm em conta a qualidade dos serviços prestados aos nossos clientes. Hoje em dia, a relação banco/clientes permite, em muitos casos, que estas comissões sejam reduzidas ou haja isenção. Relativamente ao cartão de débito, o banco continua a ter uma das anuidades mais baixas do mercado“, disse fonte oficial do banco ao Negócios.

Outra das alterações afeta os clientes com contas à ordem, que vão deixar de estar isentos das comissões de manutenção. Aqui incluem-se também as contas-ordenado, contas-acionista e conta-empresário. Até agora, a comissão de manutenção não existe se o saldo médio trimestral for superior a 5.000 euros mas, a partir do próximo ano, esse valor terá de ser superior a dez mil euros para os clientes ficarem isentos.

Estas comissões de manutenção abrangem um pequeno universo de clientes (2,5%)“, explicou a mesma fonte do banco liderado por António Vieira Monteiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander aumenta até 156% as comissões dos cartões de débito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião