Relações entre Portugal e Angola são estratégicas por razões económicas e políticas, diz Alex Vines

  • Lusa
  • 17 Novembro 2018

"As relações entre Portugal e Angola são estratégicas por razões políticas e económicas e a disputa sobre o caso judicial de Manuel Vicente foi uma distração", defende o investigador.

O diretor do programa sobre África do Instituto Real de Relações Internacionais britânico (Chatham House), Alex Vines, considerou este sábado, em entrevista à Lusa, que as relações entre Portugal e Angola são “estratégicas por razões políticas e económicas”. “A realidade é que as relações entre Portugal e Angola são estratégicas por razões políticas e económicas e a disputa sobre o caso judicial de Manuel Vicente foi uma distração que acabaria por ser resolvida, já que era do interesse estratégico de ambos os países que se encontrasse uma fórmula aceitável”, disse o investigador.

A disputa sobre o caso judicial de Manuel Vicente foi uma distração que acabaria por ser resolvida, já que era do interesse estratégico de ambos os países que se encontrasse uma fórmula aceitável.

Alex Vines

Questionado pela Lusa sobre o significado da visita oficial do chefe de Estado angolano, João Lourenço, a Portugal, de 22 a 24 de novembro, Alex Vines disse que “a viagem do primeiro-ministro de Portugal a Angola [em setembro] foi mais um passo para a normalização das relaçoes bilaterais e a visita de Lourenço a Portugal vai cimentar esse processo”.

Para Alex Vines, Angola tem atualmente “uma economia frágil, que sofre de alto endividamento e inflação”, com o Produto Interno Bruto (PIB) a cair 0,1% este ano, mantendo-se em recessão, e está “à mercê da produção petrolífera”.

“A economia dominada pelo petróleo está à mercê da produção petrolífera, que atingiu o pico nos últimos anos e desde então caiu fortemente”, disse o analista, acrescentando que com a produção a dever cair 36% até 2023,João Lourenço precisa de abrandar este declínio e garantir às companhias petrolíferas internacionais que existe um futuro lucrativo em Angola“.

Neste aspeto, Vines salientou que o Presidente “prometeu introduzir reformas na indústria petrolífera e novos incentivos, incluindo a criação de uma nova agência até 2020 para substituir a Sonangol como o principal regulador de novas concessões” e admitiu que “no papel houve muitas reformas neste setor”, mas sublinhou que “as ações têm sido surpreendentemente lentas sob a liderança do sucessor de Isabel dos Santos, Carlos Saturnino”.

Do ponto de vista externo, “o Governo tem tido uma imprensa positiva em África e no estrangeiro, mantendo-se um interesse cauteloso dos empresários relativamente a possibilidades de investimentos futuros”, mas “o facto de a emissão de dívida pública, este ano, ter tido mais procura que oferta indica que há um grau de confiança nas perspetivas económicas de médio prazo”.

O facto de a emissão de dívida pública, este ano, ter tido mais procura que oferta indica que há um grau de confiança nas perspetivas económicas de médio prazo.

Alex Vines

No entanto, conclui, “a lentidão no processo de decisão e reformas, particularmente no setor petrolífero, está a fazer com que os observadores diplomáticos estejam menos otimistas sobre os limites das reformas de João Lourenço”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Relações entre Portugal e Angola são estratégicas por razões económicas e políticas, diz Alex Vines

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião